Mundo

Afeganistão liberta 100 prisioneiros talibãs

Rahmat Gul

Discussões entre o executivo afegão e os talibãs são as primeiras em 18 anos.

O Governo do Afeganistão anunciou esta quarta-feira a libertação de 100 prisioneiros talibãs, um dia depois de os insurgentes terem anunciado a suspensão das discussões com Cabul sobre uma troca de detidos, que qualificaram de "estéreis".

"Cem prisioneiros talibãs serão libertados hoje", declarou à agência France-Presse Javid Faisal, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (NSC na sigla em inglês), um órgão governamental.

"Cumprimos a nossa parte do acordo. (...) O processo de paz deve avançar", adiantou.

Estas discussões entre o executivo afegão e os talibãs são as primeiras em 18 anos.

Os talibãs ainda não reagiram às declarações do governo. Na noite de segunda para terça-feira, o movimento anunciou a suspensão das discussões iniciadas no final de março com o executivo afegão.

"Enviámos uma equipa técnica à comissão dos prisioneiros de Cabul para identificar os nossos detidos. (...) Mas infelizmente a sua libertação foi adiada por um motivo ou outro até agora", indicou na rede social Twitter um dos seus porta-vozes.

"Como resultado, a nossa equipa técnica não participará mais de reuniões estéreis" a partir de terça-feira, disse.Uma fonte governamental afegã que não quis ser identificada contradisse hoje, no entanto, aquele anúncio. "A delegação talibã ainda está em Cabul e está em contacto com o Governo", indicou.

Estas reuniões são as primeiras em Cabul desde que os talibãs foram afastados do poder em 2001 por uma coligação internacional conduzida pelos Estados Unidos.

Os rebeldes recusaram sempre reconhecer oficialmente o governo afegão, qualificado de "marioneta" de Washington.

As discussões relacionam-se com a troca de 5.000 prisioneiros talibãs por 1.000 membros das forças afegãs, um dos pontos-chave do acordo assinado a 29 de fevereiro em Doha entre os Estados Unidos e os rebeldes e não ratificado por Cabul.

Washington comprometeu-se com uma retirada das forças estrangeiras do Afeganistão no prazo de 14 meses, na condição de os talibãs respeitarem os compromissos ao nível da segurança e iniciarem negociações "interafegãs" sobre o futuro do país.

Na terça-feira, o secretário de Estado norte-americano deu conta de "algum progresso" nas discussões, numa conferência de imprensa em Washington."Espero que todas as partes sejam sinceras na sua vontade de fazer o que é correto para os afegãos", disse Mike Pompeo.