Mundo

Chefe da diplomacia dos EUA visita Israel na próxima semana

Kevin Lamarque

Pompeo vai encontrar-se com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e com o líder do parlamento, Benny Gantz, em Jerusalém.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, vai visitar Israel, no dia 13 de maio, tornando-se um dos primeiros altos diplomatas a voltar a fazer viagens internacionais, em plena pandemia de covid-19.

Pompeo vai encontrar-se com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e com o líder do parlamento, Benny Gantz, em Jerusalém, para discutir os esforços dos EUA e de Israel para combater a pandemia de covid-19, bem como questões de segurança regional relacionadas à influência prejudicial do Irão, segundo um comunicado do Departamento de Estado norte-americano.

"O envolvimento dos Estados Unidos com Israel nunca foi tão forte quanto sob a liderança do Presidente Trump", acrescenta o documento oficial da diplomacia dos EUA.

Nos últimos meses, o Presidente dos EUA, Donald Trump, tem multiplicado os gestos de apoio a Benjamin Netanyahu, durante as três campanhas eleitorais sucessivas em Israel, que terminaram num impasse político, conduzindo a um Governo de aliança entre o partido do primeiro-ministro e o do seu principal rival, Benny Gantz.

Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel, à revelia de acordos internacionais, e ratificou a soberania israelita nas colinas de Golã, tendo ainda apresentado um plano de paz para o Médio Oriente muito favorável ao Estado hebraico e muito criticado pela Palestina.

"Os Estados Unidos e Israel enfrentarão as ameaças à sua segurança e prosperidade juntos. Em tempos difíceis, apoiamos os nossos amigos e os nossos amigos ficam ao nosso lado", disse a diplomacia norte-americana.

Mike Pompeo fez a sua última viagem ao estrangeiro em 23 de março, ao Afeganistão e ao Catar, para se reunir com os rebeldes talibãs pela primeira vez, quando a maior parte das viagens internacionais já tinha sido interrompida devido à propagação do novo coronavírus.

A maioria dos homólogos de Pompeo não retomou as viagens e todas as reuniões internacionais e bilaterais têm sido realizadas por videoconferência, há quase dois meses.

Mas, apesar do forte impacto da pandemia de covid-19 nos Estados Unidos, o Governo de Donald Trump tem tentando, nos últimos dias, encenar uma aparência de regresso à normalidade, ansioso para ver a economia recomeçar, a seis meses das eleições presidenciais.

"Esperamos viajar e sair para o terreno para fazer o que o Departamento de Estado precisa de fazer pessoalmente, onde as coisas acontecem", disse o secretário de Estado, na quarta-feira.

"Vou retomar com pequenas viagens, mas esperamos poder retomar da mesma maneira que esperamos poder reiniciar a economia, não apenas aqui nos Estados Unidos, mas em todo o mundo", acrescentou o chefe da diplomacia dos EUA.

  • 16:14