Mundo

Duas mortes em dois dias em avalanches na Suíça

Michaela Rehle

Perante a pandemia do coronavírus, a Suíça não interditou as atividades de montanha e na neve.

Duas pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida em dois dias consecutivos na sequência de avalanches na Suíça enquanto praticavam alpinismo e esqui, indicaram esta sexta-feira as autoridades locais.

A Suíça, onde a pandemia de covid-19 provocou mais de 1.500 mortes em cerca de 30.000 casos entre os quase 8,5 milhões de habitantes, não instaurou um confinamento tão rígido como noutros países europeus, mas não interditou as atividades de montanha e na neve.

Esta sexta-feira, dois esquiadores foram apanhados por uma avalanche a uma altitude de 3.400 metros quando efetuavam a subida do Mont-Brulé, próximo da fronteira com Itália. Um deles morreu e outro ficou gravemente ferido, indicou a polícia local em comunicado.

Quinta-feira, um alpinista de 36 anos morreu também numa avalanche no centro da Suíça, na companhia de outro colega, que nada sofreu.

Ambos desciam o Lauteraarhorn, um pico montanhoso de mais de 4.000 metros de altitude, quando surgiu a avalanche.

O colega da vítima mortal avisou imediatamente as forças de socorro, mas quando chegaram já nada havia a fazer, indicou a polícia cantonal de Berna, também em comunicado.
Uma outra avalanche apanhou outras duas pessoas no setor de Arola, igualmente próximo da fronteira com Itália.

Ambos foram resgatados por socorristas que se encontravam na zona, referiu fonte policial, que não deu mais informações.