Mundo

Trump e Putin abordam por telefone cimeira do G7 e cooperação bilateral

Kevin Lamarque

O contacto telefónico ocorreu "por iniciativa americana".

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, telefonou este ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, para abordar a organização de uma cimeira do G7 em que pretende a presença da Rússia, e discutir cooperação bilateral, anunciou o Kremlin em comunicado.

No decurso do contacto telefónico, que segundo o comunicado ocorreu "por iniciativa americana", Trump "informou" Putin do seu projeto de convidar a Rússia e outros países para a próxima reunião do G7, adiada para data ainda não definida devido à pandemia do coronavírus.

O Kremlin referiu-se a uma conversa "construtiva" e "substancial". No sábado, Donald Trump anunciou o adiamento desta cimeira que deveria decorrer entre os próximos dias 10 e 12, nos Estados Unidos, e o convite a outros países para se juntarem à reunião, incluindo a Rússia.

Trump considerou ainda "ultrapassado" o formato do G7 (EUA, Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália e Japão). Ao reagir hoje a este anúncio, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, declarou aos 'media' que a Rússia desconhece "os detalhes desta proposta, mesmo que se trate de uma proposta oficial".

A Rússia foi excluída do então G8 em 2014, na sequência da anexação da península da Crimeia, denunciada pelos ocidentais de "ilegal". Por diversas vezes Trump já se mostrou favorável a uma reintegração da Rússia.

Os dois dirigentes também "sublinharam a importância de relançar um diálogo russo-americano no domínio da estabilidade estratégica e das medidas de confiança no domínio militar", precisa o comunicado.

Por sua vez, Putin felicitou Trump pelo lançamento no sábado da cápsula SpaceX com astronautas a bordo em direção à estação espacial internacional (ISS), segundo a mesma fonte.

Os dois presidentes "confirmaram a intenção mútua de reforçar a cooperação reciprocamente vantajosa no domínio espacial", indica o comunicado.

O Presidente russo agradeceu a Trump pelo envio à Rússia de ventiladores artificiais destinados aos doentes atingidos pela covid-19, refere ainda o texto.