Mundo

Trump defende que convidar Rússia para cimeira do G7 revela "bom senso"

Stefani Reynolds / POOL

A Rússia foi excluída do grupo do G8 em 2014 após a anexação da península da Crimeia.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, considerou esta quarta-feira que convidar a Rússia para a próxima cimeira do G7, que decidiu adiar devido à pandemia de covid-19, revela "bom senso".

A Rússia foi excluída do grupo do G8 em 2014 após a anexação da península da Crimeia, denunciada pelos países ocidentais como "ilegal".

Na perspetiva do inquilino da Casa Branca, chegou o momento para os países do G7 (Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Canadá e Japão) acolherem de novo o Presidente russo Vladimir Putin.

"A questão não é o que ele fez, é uma questão de bom senso", assinalou Donald Trump em declarações à Fox News Radio. "Existe um G7, ele não está presente, mas metade da reunião é consagrada à Rússia. Se estivesse presente, seria muito mais fácil de solucionar", acrescentou.

"A maioria dos assuntos que abordamos dizem respeito a Putin, perdemos o nosso tempo porque no final da reunião qualquer um deve contactar com Putin", insistiu. "Julgo ser melhor que esteja na sala (...). A questão não é saber se o merece, ou não, é antes uma questão de bom senso", sublinhou.

O primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau exclui qualquer participação da Rússia na próxima cimeira, ao assinalar que após a anexação da Crimeia continuou "a desrespeitar as normas e regras internacionais".

A União Europeia também recordou que Donald Trump não pode, por si só, alterar o formato da cimeira.

Trump telefonou na segunda-feira ao seu homólogo russo para abordar a organização de uma cimeira do G7 e referiu pretender que Putin compareça na reunião.

No sábado passado Donald Trump anunciou o adiamento desta cimeira que deveria decorrer entre os próximos dias 10 e 12, nos Estados Unidos, e revelou pretender convidar outros países, incluindo a Rússia, ao considerar "ultrapassado" o formato do G7 Trump já se mostrou favorável por diversas vezes a uma reintegração da Rússia no grupo dos países mais industrializados do mundo.

Veja também: