Mundo

Irão executa espião que forneceu informação sobre Soleimani aos EUA e Israel

Aziz Taher

O general da Guarda Revolucionária foi morto num ataque realizado pelos norte-americanos em Bagdad.

O Irão vai executar um homem condenado por fornecer informações aos Estados Unidos e Israel sobre o general da Guarda Revolucionária Qassem Soleimani, morto num ataque realizado pelos norte-americanos em Bagdad, em janeiro, anunciou esta terça-feira fonte oficial.

O porta-voz do judiciário iraniano, Gholamhossein Esmaili, divulgou pouca informação sobre o homem condenado, mas forneceu o seu nome: Mahmoud Mousavi Majd.

Esmaili acusou Majd de partilhar informações de segurança sobre os Guardiães da Revolução e a sua unidade Força Quds (encarregada das operações no estrangeiro dos Guardiães), a qual Soleimani comandava.Majd estava "ligado à CIA (agência de informação dos EUA) e à Mossad (agência de informação israelita)", declarou o porta-voz.

Nenhuma das agências de informação citadas comentou as declarações das autoridades iranianas.Esmaili não disse quando Majd seria executado, somente que seria "em breve".

O porta-voz também não ligou diretamente as informações supostamente oferecidas por Majd à morte de Soleimani.Em 03 de janeiro, o general Qassem Soleimani foi morto num ataque com um 'drone' realizado pelos Estados Unidos em Bagdad, no Iraque.

O ataque, ocorrido em Bagdad, também matou Abu Mahdi al-Muhandis, vice-comandante das milícias apoiadas pelo Irão no Iraque, conhecidas como Forças de Mobilização Popular, e cinco outras pessoas, incluindo o oficial de protocolo do aeroporto das milícias, Mohammed Reda.

Mais tarde, o Irão retaliou com um ataque de míssil balístico contra as forças norte-americanas no Iraque.

Naquela mesma noite, os Guardiães derrubaram acidentalmente um avião ucraniano em Teerão, matando 176 pessoas.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado