Mundo

Espanha desmantela rede de tráfico de seres humanos cujo líder vivia em Portugal

© Czar Dancel / Reuters

Desde o início da investigação foram identificadas cerca de mil vítimas.

A polícia espanhola desmantelou uma organização internacional que se dedicava ao tráfico de seres humanos e deteve 12 pessoas, incluindo o líder do grupo, um centro-africano que vivia entre Portugal e a Alemanha.

Segundo um comunicado de imprensa publicado esta sexta-feira pela Guarda Civil espanhola (correspondente à GNR portuguesa), a maioria dos detidos é de origem subsaariana e marroquina.

Durante a operação foram efetuadas buscas principalmente em Espanha, tendo ainda sido realizadas três em Portugal, duas na Alemanha e uma pessoa foi detida na Holanda.

Desde o início da investigação foram identificadas cerca de 1.000 vítimas, incluindo mulheres e crianças, apreendidos dois quilos de marijuana e estima-se que tenham sido confiscados mais de 500.000 euros.

A operação teve início em 2018, quando agentes da Guarda Civil detetaram que um "grande número de imigrantes" sem documentos estava a ser transferido para França sob coação.

As vítimas eram maioritariamente migrantes africanos, entre os quais era comum encontrar menores e mulheres grávidas que eram recrutados nos seus países de origem para trabalhar de forma irregular e precária em Espanha, de onde foram depois levadas para França, Bélgica e Alemanha sendo-lhes exigido o pagamento de 500 a 750 euros.

Para garantir o pagamento, os delinquentes aproveitavam frequentemente a extrema vulnerabilidade em que se encontravam os migrantes, chegando ao ponto abandonar durante uma viagem uma criança que não podia pagar a totalidade do montante exigido.

Uma parte desta organização estava sediada em Espanha e era composta maioritariamente por cidadãos subsarianos que viviam na província de Lérida e era dirigido pelo chefe da organização em Espanha, a partir da cidade de Roselló (Catalunha).

Segundo a Guarda Civil espanhola, "o líder a nível internacional", conhecido como "o chefe", era um indivíduo de origem centro-africana, residente em Portugal e na Alemanha.

Este indivíduo tinha antecedentes de incentivo à imigração irregular noutros países europeus e vangloriava-se de ter 25 anos de experiência nessa atividade. Para aumentar os lucros, "o chefe" criou uma estrutura empresarial e imobiliária, que lhe permitiu atrair também imigrantes asiáticos (geralmente nepaleses, hindus, paquistaneses), que se mudaram da Alemanha para a Península Ibérica, na sua maioria para Portugal.

A rede organizava viagens 'non-stop' Península Ibérica-Alemanha, utilizando carrinhas alugadas ou um dos 12 veículos da organização em nome de outras pessoas, que enchiam de migrantes e barris de combustível, maximizando os benefícios por viagem.

  • 15:42