Mundo

Explosão "suspeita" numa clínica em Teerão faz duas dezenas de mortos

ABEDIN TAHERKENAREH

Quatro pessoas interrogadas pela polícia por suspeitas de sabotagem.

Um incêndio e uma forte explosão matou terça-feira à noite pelo menos 19 pessoas numa clínica em Teerão. As autoridades detiveram quatro pessoas e estão a interrogá-las por suspeitas de sabotagem

Segundo o porta-voz dos bombeiros de Teerão, Jalal Maleki, a explosão, que danificou edifícios próximos da clínica, ocorreu quando o incêndio atingiu tanques de gás armazenados na cave do centro.

Citado pela agência oficial Irna, o vice-ministro da Saúde, Iraj Harirchi, negou rumores nas redes sociais sobre "a presença de matérias radiativas" no local.

"A clínica Sina Athar não é um centro de medicina nuclear", mas "um centro dentário e de radiologia", disse.

O último balanço dá conta de 19 mortos, entre os quais 15 mulheres. Os bombeiros resgataram 20 pessoas do edifício.

Quatro pessoas interrogadas sobre explosão

A polícia iraniana "interroga quatro pessoas" hoje no quadro de um inquérito sobre a explosão, indicou o 'site' da televisão estatal.

"A polícia está a interrogar e a investigar quatro pessoas", segundo o Iribnews, que cita o general Hamid Hadavand, adjunto do chefe da polícia da capital do Irão.

Entre aquelas pessoas encontram-se o diretor-geral da clínica Athar Sina e três outros responsáveis do centro de saúde no norte de Teerão, destruído na terça-feira pela violenta explosão.

Citado hoje pela agência Fars, o general Hossein Rahimi, chefe da polícia de Teerão, negou que o acidente possa ter sido resultado de "sabotagem".

"São rumores", assegurou, adiantando que o drama resultou de um "incêndio no centro privado" de saúde.

A origem do desastre continua, no entanto, por determinar e o presidente Hassan Rohani, numa mensagem de condolências às famílias das vítimas, pediu às "autoridades envolvidas" para esclarecerem "a causa do acidente".