Mundo

Juiz bloqueia livro de sobrinha de Trump que promete "contar tudo" sobre a família

Em 1990 Trump com a mãe, Mary, o pai Fred, irmã, a juíza Maryanne Trump Barry, à direita. À esquerda, o irmão Robert Trump e a mulher Blaine Trump.

CHARLES REX ARBOGAST / AP

Um retrato de "traumas, relacionamentos destrutivos e uma trágica combinação de negligência e abuso".

Um livro que "revela tudo" sobre a família Trump, escrito pela sobrinha Mary Trump, foi impedido pela Justiça de Nova Iorque de ser publicado, por enquanto.

A queixa foi apresentada pelo irmão de Trump, Robert, que acusa Mary de violar um "pacto familiar" de não se revelarem assuntos de família.

O juiz do Supremo Tribunal do estado de Nova Iorque, Hal B. Greenwald, exige agora que Mary Trump e a editora apresentem a sua justificação porque não devem ser impedidos de publicar o livro “Too Much and Never Enough: How My Family Created the World’s Most Dangerous Man" (Demasiado e nunca suficiente: como a minha família criou o homem mais perigoso do mundo).

A audiência ficou marcada para 10 de julho.

“Traumas, negligência, abuso"

O livro, que devia ser publicado agora em julho, foi escrito por Mary Trump, filha de Fred Trump Jr., irmão mais velho do Presidente, que morreu em 1981.

Numa descrição online do livro diz que revela “um pesadelo de traumas, relacionamentos destrutivos e uma trágica combinação de negligência e abuso".

Capa do livro “Too Much and Never Enough: How My Family Created the World’s Most Dangerous Man" em pré-venda na Amazon.

Capa do livro “Too Much and Never Enough: How My Family Created the World’s Most Dangerous Man" em pré-venda na Amazon.

Amazon

"Neste retrato revelador e autoritário de Donald J. Trump e da família tóxica que o criou, Mary L. Trump, psicóloga clínica e única sobrinha de Donald, lança uma luz brilhante sobre a história sombria da sua família, a fim de explicar como o tio se tornou o homem que agora ameaça a saúde, a segurança económica e o tecido social do mundo.

Mary Trump passou grande parte de sua infância na casa grande e imponente dos seus avós, no coração de Queens, Nova Iorque, onde Donald e os quatro irmãos cresceram. Descreve um pesadelo de traumas, relacionamentos destrutivos e uma combinação trágica de negligência e abuso. Explica como eventos específicos e padrões familiares criaram o homem 'danificado' que atualmente ocupa a Sala Oval, incluindo a estranha e prejudicial relação entre Fred Trump e os seus dois filhos mais velhos, Fred Jr. e Donald.

Testemunha ocular das inúmeras interações familiares em ocasiões festivas, Mary tem uma sagacidade incisiva e um humor inesperado às vezes sombrio. Relata tudo com detalhes surpreendentes, desde o lugar proeminente do seu tio Donald na família, a propensão de Ivana para referir as doenças da sua avó e a maneira terrível como Donald, o filho favorito de Fred Trump, o ridicularizava quando o pai começou com a doença de Alzheimer.

Inúmeros especialistas, psicólogos de poltrona e jornalistas tentaram analisar as falhas de Donald J. Trump. Mary L. Trump tem a educação, o discernimento e a familiaridade íntima necessária para revelar o que importa a Donald e o resto do clã. Só ela pode recontar essa saga fascinante e enervante, não apenas por causa da perspectiva a partir de dentro, mas também porque ela é a única Trump disposta a dizer a verdade sobre uma das famílias mais poderosas e disfuncionais do mundo".

Violação de um acordo familiar

O irmão mais velho de Donald, Robert Trump argumenta que Mary Trump deve cumprir um acordo entre os membros da família de que tal livro não pode ser publicado sem a permissão de outros membros da família.

Robert Trump alega que Mary Trump faz parte de um acordo com quase duas décadas, que inclui uma cláusula de confidencialidade que diz explicitamente que nenhum elemento da família "publicará qualquer assunto referente a litígios ou ao relacionamento familiar", a menos que todos concordem.

O juiz decidiu assim que nenhuma parte do livro pode ser distribuída até decidir sobre a validade das reivindicações de Robert Trump.

O advogado de Mary Trump, Theodore J. Boutrous Jr., e o editor, Simon & Schuster, prometeram recorrer da decisão.

"A ordem de restrição temporária do tribunal é apenas temporária, mas é uma restrição e que viola a Primeira Emenda", diz o advogado em comunicado. "Este livro, que trata de assuntos de grande importância e interesse nacional sobre um Presidente em exercício em ano eleitoral, não deve ser impedido nem por um dia".

Por seu lado, o advogado de Robert Trump, Charles Harder, disse que seu cliente estava "muito satisfeito", acusando Mary Trump e a editora de atitudes "verdadeiramente repreensíveis".

"Vamos disputar vigorosamente este caso e tomaremos todas as medidas disponíveis por lei para [evitar] os enormes danos", garantiu.

  • 4:09
  • 2:34