Mundo

Militares vão poder concorrer às eleições no Egito

Mohamed Abd El Ghany

Os membros das Forças Armadas estavam oficialmente remetidos ao dever de reserva e proibidos de exercerem qualquer atividade política.

O parlamento egípcio aprovou esta segunda-feira uma lei que autoriza os militares, até agora proibidos de exercerem atividade política, a concorrerem às eleições presidenciais, legislativas e locais, indicou a Comissão nacional dos media.

Até ao momento, os membros das Forças Armadas estavam oficialmente remetidos ao dever de reserva e proibidos, por uma lei em vigor desde 1959, de exercerem qualquer atividade política.

Os deputados aprovaram esta segunda-feira um projeto de lei que autoriza os "militares em exercício ou que terminaram o seu serviço" a apresentarem-se aos três géneros de eleições representativas "após terem obtido o acordo do Conselho supremo das Forças Armadas (CSFA)", indicou a instituição oficial na sua página digital.

CSFA dirigida pelo Presidente Fattah el-Sisi desde 2014

reuters

O CSFA, uma poderosa entidade na cúpula das Forças Armadas, é dirigida pelo Presidente Abdel Fattah el-Sisi, ele próprio um antigo marechal, desde 2014.

Durante muito tempo considerado um conselho de sábios, foi designadamente responsável por supervisionar o período de transição que ocorreu após a revolta popular de janeiro-fevereiro de 2011 e que provocou a queda do antigo presidente Hosni Mubarak.

O Egito é dirigido por militares desde 1952, à exceção de um breve período na sequência destas inéditas manifestações e da rebelião popular.

Papel do exército acentuou-se no país

Mohamed Abd El Ghany

O exército, definido como o protetor do povo, é omnipresente na sociedade e a sua função acentuou-se nos últimos anos na economia egípcia.

No poder desde 2013 após ter destituído num golpe de Estado Mohamed Morsi, o único chefe de Estado egípcio civil e eleito democraticamente, El-Sisi foi eleito Presidente em 2014 e depois em 2018, em eleições com reduzida taxa de participação.

Em abril de 2019, uma controversa revisão constitucional que previa o prolongamento da presidência de El-Sisi e o reforço dos seus poderes, foi aprovada em referendo com 56% de abstenções, segundo os números oficiais.

Alguns meses mais tarde, em dezembro, Sami Anan, antigo chefe de estado-maior que foi detido após ter anunciado a sua candidatura às últimas presidenciais cntra El-Sisi, foi libertado após um ano e meio de detenção. Diversas ONG de direitos humanos incluem o Egito entre os regimes mais repressivos de todo o mundo.