Mundo

Polícia brasileira prende ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro acusado de fraude

Pilar Olivares

Edmar Santos foi detido na sua residência no bairro de Botafogo, na parte sul da capital do Rio de Janeiro.

A polícia brasileira prendeu esta sexta-feira o ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro por supostos desvios e fraudes dos recursos destinados à aquisição de material médico para o combate à pandemia de covid-19, informaram fontes oficiais.

Edmar Santos foi detido na sua residência no bairro de Botafogo, na parte sul da capital do Rio de Janeiro, por alegado envolvimento numa organização criminosa que terá cometido fraudes e outras irregularidades nos contratos de compra de ventiladores pulmonares, indicou o Ministério Público do Rio de Janeiro, em comunicado.

A prisão faz parte de uma investigação sobre irregularidades na gestão do governo regional 'carioca' durante a pandemia, que já motivou a abertura de um processo de destituição contra o governador, Wilson Witzel.

Ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro pode ver confiscados bens no valor de mais de seis milhões de euros

A justiça brasileira também autorizou o confisco de bens no valor de até 36,9 milhões de reais (cerca de 6,1 milhões de euros), valor equivalente aos recursos públicos desviados em três contratos irregulares assinados para aquisição de equipamentos médicos.

Os investigadores sustentam que Santos desviou "um volume de recursos públicos de milhões de dólares destinados à compra de ventiladores e ventiladores pulmonares" e destacou que, até hoje, os materiais não foram entregues à população.

O ex-secretário responderá na Justiça por associação para cometer crimes e peculato.

Já dois secretários de Saúde no Rio de Janeiro "caíram" desde o início da pandemia

Os problemas de gestão da emergência de saúde causada pelo novo coronavírus e as crescentes alegações de corrupção levaram à queda de dois secretários de Saúde no Rio de Janeiro desde o início da pandemia, e colocaram o governador do estado em alerta.

Há algumas semanas, a Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro decidiu iniciar um julgamento político que poderá acabar com a destituição de Witzel, que foi pessoalmente atingido nas investigações de desvio dos recursos para combater a covid-19.