Mundo

Andrzej Duda reeleito Presidente da Polónia

Andrzej Duda venceu as eleições presidenciais na Polónia.

LESZEK SZYMANSKI

Apurados resultados em 99,97% dos distritos.

Andrzej Duda foi eleito Presidente da Polónia para um segundo mandato de cinco anos, numa eleição bastante renhida, que tinha como adversário Rafal Trzaskowski, autarca de Varsóvia.

De acordo com a contagem de votos de 99,97% dos distritos, Duda conseguiu 51,21% dos votos e Rafal Trzaskowski, ficou com 48,79% dos votos.

O chefe da comissão, Sylwester Marciniak, disse que os resultados finais oficiais serão anunciados mais tarde e podem variar um pouco. Contudo, neste momento, Duda tem quase meio milhão de votos a mais do que o seu oponente e, segundo a comissão eleitoral, é impossível reverter o resultado.

Os resultados muito próximos refletem as profundas divisões na Polónia. Andrzej Duda, que pertence ao partido conservador de direita Lei e Justiça, foi apoiado pela igreja Católica e seguiu uma campanha tradicional, com discursos contra a comunidadade LGBT e outras minorias.

Já Trzaskowski, ex-eurodeputado que entrou mais tarde na corrida à presidência, prometeu proteger os valores democráticos do país e unir a sociedade divida.

Direitos LGBTI abordados pelos dois candidatos na campanha

Andrzej Duda conta sobretudo com a base conservadora do PiS, maioritariamente rural, mais velha e menos instruída, tendo feito uma campanha assente nos valores tradicionais e católicos, com ataques aos direitos LGBTI que passaram nomeadamente por assinar, na segunda-feira, uma emenda constitucional para proibir a adoção por casais homossexuais, que tem ainda de ser aprovada pelo parlamento.

Rafal Trzaskowski, que defende a legalização das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e proclamou em 2019 uma carta dos direitos LGBTI que levou um terço dos restantes municípios, encorajados pelo PiS, a declarar-se "zonas livres de LGBT", manifestou-se contudo agora contra a adoção por casais homossexuais, o que organizações da sociedade civil atribuem ao medo de perder votos.