Mundo

Corrida para salvar tartarugas submersas por maré de plástico no Bangladesh

Caleb Jones

Organizações ambientais dizem que nunca viram tantas tartarugas mortas no Golfo de Bengala.

Uma "maré de resíduos plásticos", com garrafas, redes de pesca e outros objetos, invadiu este domingo uma praia do Bangladesh, no Golfo de Bengala, desencadeando uma corrida contra o tempo para resgatar tartarugas submersas pelo mar de lixo.

Segundo o Departamento Florestal de Bangladesh, a "maré sem precedentes" de mais de 50 toneladas de resíduos plásticos estende-se por 120 quilómetros de praia no sudoeste do país, a partir da cidade de cidade de Cox's Bazar.

"Este é um caso único de invasão de plásticos" e é "uma ameaça de grande perigo para a biodiversidade marinha", descreveu Moazzem Hossain, gerente de uma organização ambiental local denominada "Salvar a Natureza - Bangladesh".

Centenas de voluntários lançaram-se nas últimas horas numa corrida contra o tempo para salvar as tartarugas marinhas submersas pela maré de plástico, relatou um porta-voz do Departamento Florestal, Sohail Hossain.

"Enterrámos as tartarugas mortas e estamos a tentar libertar as resgatadas", descreveu.

Voluntários do Plastik Bank Bangladesh encontraram e enterraram cerca de 20 tartarugas de uma espécie classificada como vulnerável pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN).

"Nunca vi tantas tartarugas mortas na praia e tantos resíduos de plástico a flutuar em toda a minha vida", disse o pescador Jashim Uddin.

A maior parte das tartarugas tinha pelo menos 30 anos, referiu Shahriar Caesar Rahman, especialista local da organização não -governamental Creative Conservation Alliance.

"As tartarugas geralmente ficam presas em grandes quantidades de lixo que flutuam no mar e acabam por morrer sufocadas. Parece ter sido esse o caso", indicou.