Mundo

Dono de hospital do Bangladesh acusado de cobrar por testes falsos à Covid-19

O Banglasdesh está em confinamento há 68 dias, mas reabriu em uma "escala limitada" em 1º de junho para ajudar a impulsionar a economia.

Mohammad Ponir Hossain / Reuters

Está detido pela polícia e aguarda julgamento.

O dono de um hospital no Bangladesh terá enganado pacientes com testes falsos à Covid-19 numa valor superior a 350 mil dólares, cerca de.306 mil euros E depois tentou fugir do país.

Mohammad Shahed, o proprietário do hospital, foi detido na quarta-feira acusado de fraude. Terá emitido milhares de resultados falsos dos testes Covid-19 para enganar os paciente.

As autoridades de Bangladesh dizem que Mohammad Shahed fugiu durantes nove dias e foi detido a tentar atravessar um rio para a vizinha Índia usando uma burqa.

Shahed é acusado de entregar aos pacientes resultados negativos dos testes falsos ao novo coronavírus, disse o coronel Ashique Billah, porta-voz do Batalhão de Ação Rápida do país, uma força de segurança de elite, à CNN.

É também acusado de cobrar às pessoas os tratamentos contra o novo coronavírus e os atestados de que não contraíram o vírus, quando tinha acordado com o Governo fornecer esses serviços gratuitamente.

Segundo o coronel Ashique Billah, duas instalações médicas pertencentes a Shahed realizaram cerca de 4.000 testes genuínos para o novo coronavírus, mas falsificaram os resultados de outros 6.500.

Na quinta-feira, um tribunal concedeu à polícia o direito de manter Shahed sob custódia por 10 dias para interrogatório. A CNN tem tentado localizar um advogado que represente Shahed para comentar.

Mais de 193 mil infetados e quase 3 mil mortos, mas números reais devem ser superiores

Mais de 193.500 pessoas no Bangladesh contraíram o vírus, das quais 2.457 morreram, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Mas muitos estão preocupados que o número real possa ser muito maior devido à capacidade limitada de testes de Bangladesh.

Desde março, foram testadas em média entre 13.000 a 17.000 pessoas por dia, um número relativamente pequeno para um país com uma população de mais de 168 milhões de pessoas.

O país está em confinamento há 68 dias, mas reabriu em uma "escala limitada" em 1º de junho para ajudar a impulsionar a economia. As escolas continuam fechadas, mas empresas e gabinetes públicos foram abertos.

Vírus já matou quase 580 mil pessoas e infetou mais de 13,4 milhões no mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 579.938 pessoas e infetou mais de 13.407.780 em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan., segundo um balanço da agência AFP até às 19:00 TMG (20:00 de Lisboa) de quarta-feira.

Pelo menos 7.264.600 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Países mais atingidos:

  • Estados Unidos, com 136.900 óbitos e 3.465.031 casos
  • Brasil com 74.133 mortes e 1.926.824 casos
  • Reino Unido 45.053 mortes (291.911 casos)
  • México, com 36.327 mortes (311.486 casos)
  • Itália, com 34.997 mortos (243.506 casos)..
  • China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) com 83.611 casos e 4.634 mortes

A Europa totalizava às 19:00 TMG de quarta-feira 203.793 mortes em 2.879.566 casos, a América Latina e Caribe 149.597 mortes (3.495.775 casos), Estados Unidos e Canadá 145.740 mortes (3.573.752 casos), a Ásia 45.518 mortes (1.860.260 casos), o Médio Oriente 21.364 mortes (957.272 casos), África 13.786 mortes (629.080 casos) e a Oceânia 140 mortes (12.077 casos).

1.676 mortes e 47.426 casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 1.676 mortes e 47.426 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu de 1.668 para 1.676, mais 8 em relação a ontem, enquanto o número de infetados aumentou de 47.051 para 47.426, mais 375, um aumento de 0,8%.

Há 478 pessoas internadas, 68 estão nos cuidados intensivos.

O número de casos recuperados subiu de 31.550 para 32.110, mais 560.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global