Mundo

Imagens do Sol e das "explosões solares em miniatura"

Imagens do Sol e das "explosões solares em miniatura"

Esta animação combina uma série de imagens captadas com vários instrumentos a bordo da Solar Orbiter entre 30 de maio e 21 de junho de 2020, quando a sonda estava a meio caminho entre a Terra e o Sol - mais próxima do Sol do que qualquer outro instrumento esteve antes.

A sonda Solar Orbiter da ESA, lançada a 10 de fevereiro de 2020, fez a sua primeira aproximação ao Sol em meados de junho, captando imagens únicas da nossa estrela. Nunca o Sol tinha sido fotografado tão de perto.

É o engenho fabricado pelo Homem que mais se aproximou do Sol, depois da norte-americana Parker Solar Probe da NASA. Não havia outra imagem do Sol tirada de tão perto o que já permitiu aos astrónomos descobrir novos e interessantes fenómenos.

“Estas são apenas as primeiras imagens e já podemos ver novos fenómenos interessantes,” diz Daniel Müller, Cientista do Projeto Solar Orbiter da ESA em comunicado de imprensa. “Não esperávamos resultados tão bons logo ao início".

A grande fogueira que é o Sol tem pequenas fogueiras

As fogueiras do Sol foram captadas pelo Extreme Ultraviolet Imager (EUI) quando a Solar Orbiter estava no ponto da sua órbita elíptica mais próximo do Sol. Naquele momento, a sonda estava a apenas 77 milhões de quilómetros do Sol, cerca da metade da distância entre a Terra e a nossa estrela.

“As fogueiras são os parentes mais novos das explosões solares que podemos observar a partir da Terra, milhões ou milhares de milhões de vezes menores,” diz David Berghmans, do Observatório Real da Bélgica (ROB).

David Berghman é o Investigador Principal do Instrumento EUI, que capta imagens de alta resolução das camadas inferiores da atmosfera do Sol, conhecida como coroa solar.

“O Sol pode parecer pacífico à primeira vista, mas quando olhamos em detalhe, podemos ver essas labaredas em miniatura em todos os lugares.”