Mundo

Juan Carlos. Casa Real anuncia paradeiro do antigo rei de Espanha

Susana Vera

Nem Cascais, nem Azeitão.

O antigo rei de Espanha Juan Carlos encontra-se nos Emirados Árabes Unidos (EAU) desde o passado dia 3 de agosto, anunciou hoje a Casa Real espanhola.

"Sua Majestade, o rei dom Juan Carlos indicou à Casa de Sua Majestade que se mudou a 3 de agosto para os Emirados Árabes Unidos, onde permanece desde então", lê-se num curto comunicado, divulgado pela Zarzuela (Palácio Real).

O paradeiro do antigo rei era desconhecido desde que, nesse dia, a Zarzuela emitiu um outro comunicado a indicar que apoiava a mudança de Juan Carlos de abandonar Espanha para fixar residência noutro país.

Na ocasião, acrescentou que a decisão foi tomada face à repercussão pública de "alguns acontecimentos passados" da vida privada de Juan Carlos e para facilitar ao seu filho e sucessor, Felipe VI, a tranquilidade e o sossego que necessita para o exercício das suas funções.

Desde que o comunicado foi divulgado, foi muita a especulação sobre os vários destinos possíveis, entre eles Portugal.

ESTARÁ NUM HOTEL DE 7 ESTRELAS EM ABU DHABI

No passado dia 7, o jornal ABC disse ter tido acesso à rota do jato privado que saiu de Paris, fez escala em Vigo onde Juan Carlos entrou, sendo depois levado para Abu Dhabi.

O Emirates Palace, em Abu Dhabi, será agora a nova residência de Juan Carlos. O rei emérito de Espanha estará alojado numa das seis suites presidenciais onde uma noite pode custar 11 mil euros.

AS POLÉMICAS DO REI EMÉRITO JUAN CARLOS

Juan Carlos reinou em Espanha durante 38 anos anos e fez a transição da ditadura franquista para a democracia, mas os útlimos anos do reinado ficaram marcados por várias polémicas.

Há seis anos foi mesmo obrigado a abdicar do trono a favor do filho.

JUSTIÇA ESPANHOLA INVESTIGA SUSPEITAS DE CORRUPÇÃO

O Supremo Tribunal espanhol decidiu investigar as suspeitas de delito de corrupção do rei emérito na construção do comboio de alta velocidade entre Medina e Meca, na Arábia Saudita.

De acordo com o Ministério Público, a investigação, que passa para o Supremo Tribunal, irá concentrar-se em "delimitar ou descartar" a relevância criminal dos acontecimentos ocorridos desde junho de 2014, quando Juan Carlos deixou de ser Chefe de Estado e, com isso, perdeu a imunidade que a Constituição espanhola lhe concedia.

A procuradoria-geral considera ser necessário realizar "novas diligências que afetam diretamente o rei emérito", que está a ser investigado pelo Supremo Tribunal.

Kirsty Wigglesworth

A investigação tem por base um processo iniciado pela procuradoria anticorrupção no final de 2018 para indagar sobre possíveis comissões pagas na adjudicação da construção do comboio de alta velocidade a um consórcio de empresas espanholas em 2011.

"Dada a importância institucional desta investigação", a procuradora-geral do Estado, Dolores Delgado, encarregou o procurador da Câmara de Crimes Económicos, Juan Ignacio Campos, de conduzir a investigação, assistido por três outros procuradores, "que assumirão a inegável complexidade técnica" do processo.

  • 2:34