Mundo

Seis feridos e quatro desaparecidos em explosão de oleoduto no Texas

Associated Press

Um dos feridos está em estado grave.

Uma draga no porto de Corpus Christi, no Estado norte-americano do Texas, embateu e rompeu esta sexta-feira um oleoduto, desencadeando uma forte explosão, que provocou seis feridos e deixou quatro desaparecidos, tendo o incêndio sido extinto, indicaram as autoridades locais.

Segundo a Guarda Costeira norte-americana, os quatro desaparecidos são membros da tripulação da embarcação envolvida no acidente, que ocorreu às 08:00 locais (14:00 em Portugal) no porto de Corpus Christi, no sudoeste do Texas.

Segundo o comandante dos Bombeiros de Corpus Christi, Robert Rocha, os "combatentes da paz", à chegada ao local do acidente, depararam-se com um "fogo de grande intensidade e com muito fumo negro".

Associated Press

"A meio da tarde de hoje, à medida que o combustível contido no oleoduto, entretanto fechado, foi ardendo, o incêndio foi apagado", explicou Rocha.

Segundo a agência noticiosa Associated Press (AP), que cita a tenente Marina Lyons, da Guarda Costeira norte-americana, a draga atingiu um oleoduto submerso causando um incêndio no canal do navio.

Por seu lado, a administração do porto de Corpus Christi, numa declaração, indicou que o incêndio ocorreu num 'pipeline' de gás natural, tendo os trabalhadores da empresa conseguido isolar a canalização.

Um ferido em estado grave

Rocha adiantou que seis pessoas foram transportadas para um hospital local e que um deles se encontrava em estado grave.

Segundo Rocha, os bombeiros locais transportaram quatro dos feridos para um hospital e que os outros dois foram levados pela Guarda Costeira.

O Governador do Texas, Greg Abbott, numa declaração, indicou que o Estado está a trabalhar de perto com as autoridades locais e que a Comissão da Qualidade Ambiental texana estava a monitorizar a qualidade do ar.

Fontes oficiais, citadas pela imprensa local, indicaram que a zona da refinaria não foi afetada, tendo a polícia alertado a população para evitar a zona em redor da explosão.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado