Mundo

Envenenamento de Navalny. Tensão entre Alemanha e Rússia agrava-se

Rússia acusa Alemanha de atrasar investigação do caso.

O chefe da diplomacia acusa Berlim de não partilhar a informação clínica solicitada por Moscovo.

A Alemanha diz que o principal rosto da oposição a Vladimir Putin foi envenenado, uma alegação que Moscovo rejeita liminarmente.

Alemanha admite sanções contra a Rússia

A Alemanha admite sanções contra a Rússia pelo envenenamento do opositor Alexei Navalny. O ministro alemão dos Negócios Estrangeiros diz que quer esclarecimentos nos próximos dias, caso contrário terá de discutir uma resposta com os parceiros.

Na sexta-feira, Alemanha e França voltaram a exigir explicações e apelaram à identificação dos responsáveis pelo ataque.

Alexei Navalny sentiu-se mal durante um voo, depois de participar numa ação política de oposição ao Presidente russo. Está em coma induzido desde 20 de agosto.

Depois de ter sido internado na Sibéria foi transferido para Berlim, onde foi confirmado o envenenamento com Novichock.

ONU exige investigação "aprofundada" de Moscovo ao "crime" cometido contra Navalny

A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, exigiu esta terça-feira uma investigação "aprofundada, transparente, independente e imparcial" por parte das autoridades russas sobre o "crime extremamente grave" cometido contra o opositor Alexeï Navalny, que saiu do como induzido após ter sido envenenado na Rússia.

Bachelet considera que, segundo um comunicado citado pela agência France Presse, "negar a necessidade de uma investigação (...) sobre esta tentativa de assassinato não é uma resposta adequada".

O Kremlin denunciou como "absurdas" as tentativas de envolver a Rússia no caso Navalny

A Alta Comissária observou que agentes neurotóxicos e isótopos radioativos como o Novichok - que especialistas alemães afirmam ter sido usado para envenenar Navalny - e o polónio-210 são substâncias sofisticadas e extremamente difíceis de obter.

"Isso levanta muitas questões" como "porquê usar substâncias como estas? Quem as usa? Como as conseguiram?", referiu.

Questionado em conferência de imprensa da ONU, em Genebra, sobre quem considera ser os culpados pelo envenenamento, o porta-voz de Bachelet, Rupert Colville, disse "não estar em posição de fazer acusações diretas".

ALEXEI NAVALNY SAI DO COMA INDUZIDO

Alexei Navalny, vítima de um envenenamento na Rússia segundo Berlim, saiu do coma induzido esta segunda-feira e vai "por etapas" deixar de recorrer ao ventilador, anunciou esta segunda-feira o hospital La Charité, em Berlim, onde está internado.

O opositor, que segundo os testes efetuados na Alemanha foi vítima de um envenenamento com um neurotóxico do tipo Novitchok, "reage" quando a equipa médica lhe falou, indicou ainda o estabelecimento onde está internado desde 22 de agosto.

O seu "estado de saúde (...) melhorou", sublinhou o hospital, um dos mais reputados da Europa, apesar de reafirmar que não são de excluir sequelas a longo prazo deste "pesado envenenamento".

GOVERNO ALEMÃO CONFIRMA QUE ALEXEI NAVALNY FOI ENVENENADO COM NOVICHOK

Principal opositor do Kremlin, Alexei Navalny, foi, "sem dúvida", segundo as autoridades alemãs, envenenado na Rússia no decurso de uma deslocação eleitoral por um agente neurotóxico do tipo Novitchok, uma substância concebida na época soviética para fins militares e já utilizada contra o ex-agente duplo russo Serguei Skripal e sua filha Iulia, em 2018, em Inglaterra.

Berlim e outros países ocidentais apontaram responsabilidades às autoridades russas e exortaram-nas a fornecer explicações.

O braço de ferro endureceu no domingo, com a Alemanha a dirigir um ultimato de alguns dias a Moscovo para "esclarecer o que se passou".

Alexei Navalny, conhecido pelos seus inquéritos anticorrupção dirigidos à elite política russa, sentiu-se mal em 20 de agosto e foi hospitalizado de urgência em Omsk, na Sibéria, antes de ser enviado para Berlim