Mundo

Militantes palestianos em Gaza disparam rockets contra Israel

Amir Cohen

Duas pessoas ficaram feridas.

Militantes palestinianos na faixa de Gaza dispararam esta terça-feira dois 'rockets' contra Israel, ferindo duas pessoas, num ataque que coincidiu com a assinatura de acordos de normalização de relações entre Israel e dois países árabes na Casa Branca.

Os palestinianos opõe-se aos acordos com os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, vendo-os como uma traição à sua causa pelos países árabes, que concordaram em reconhecer Israel sem garantir concessões territoriais.

Os militares israelitas disseram que dois 'rockets' foram disparados de Gaza e um foi intercetado por defesas aéreas.

Magen David Adom, do serviço de emergência israelita, disse que tratou duas pessoas por ferimentos leves causados por vidros partidos.

Os militares disseram anteriormente que as sirenes de 'rockets' soaram em Ashdod e Ashkelon, cidades no sul de Israel, perto da faixa de Gaza.

O grupo militante islâmico Hamas governa Gaza desde 2007, quando tomou o poder da Autoridade Palestiniana, apoiada internacionalmente. Desde então, Israel e Egito impuseram um bloqueio paralisador no território costeiro.

Vários grupos militantes palestinianos operam em Gaza, mas Israel responsabiliza o Hamas por todos os ataques e normalmente responde aos disparos de 'rockets' com ataques aéreos contra alvos militantes.

Israel e Hamas travaram três guerras e várias escaramuças menores desde 2007. O Egito e Catar intermediaram um cessar-fogo informal, no qual o Hamas travou os ataques de 'rockets' em troca de ajuda económica e relaxamento do bloqueio, mas o acordo foi quebrado em várias ocasiões.

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes