Mundo

Covid-19 no Brasil: "134.935 pessoas foram assassinadas pela política de Bolsonaro"

Bruno Bimbi, escritor opositor de Jair Bolsonaro que se autoexilou em Barcelona, analisa a pandemia no Brasil, na Edição da Noite da SIC Notícias.

"134.935 pessoas foram assassinadas pela política de Jair Bolsonaro", começou por referir Bruno Bimbi, justificando que o Presidente do Brasil negou a ciência e boicotou as medidas sanitárias tomadas pelos governadores e prefeitos do país.

"Não poderia culpar" o Presidente de Portugal, Espanha ou França pelas mortes, uma vez que "com acertos e erros fizeram o que estava ao alcance para evitar essas mortes e para conter o avanço da pandemia", salentou o escritor.

"Bolsonaro fez o contrário. (...) Escolheu espalhar mentiras e fakenews".

Brasil regista mais de 820 mortes diárias por covid-19

O Brasil somou 829 mortes e 36.303 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, informaram esta quinta-feira as autoridades de Saúde, que investigam ainda a eventual relação de 2.396 óbitos com o novo coronavírus.

De acordo com o boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, 324 das 829 mortes ocorreram nos últimos três dias, mas só foram incluídas nos dados de hoje, após confirmação da causa de óbito.

O país sul-americano totaliza agora 134.935 vítimas mortais e 4.455.386 casos diagnosticados desde o início da pandemia no país, registada oficialmente em 26 de fevereiro.

A taxa de letalidade da covid-19 no Brasil mantém-se em 3,0% e a taxa de incidência é agora de 64,2 mortes e de 2.120,1 casos por cada 100 mil habitantes.

O Brasil, país lusófono mais afetado pela pandemia e uma das nações com maior número de mortos e infetados, já registou a recuperação de 3.753.082 pacientes infetados.