Mundo

Arqueólogos mexicanos identificaram o primeiro navio de escravos da civilização Maia

www.gob.mx/

"La Unión" transportava mensalmente 25 a 30 escravos para Cuba entre 1855 e 1861.

Um grupo de arqueólogos mexicanos confirmou a descoberta do primeiro navio de transporte de escravos da civilização Maia, encontrado na península de Yucatan, no Golfo do México.

"La Unión" foi encontrado por investigadores do Instituto Nacional de Antropologia e História do México em 2017, no entanto a realização de investigações "no terreno e em arquivos do México, Cuba e Espanha", que tiveram a duração de "três anos", apenas permitiu confirmar a descoberta em 2020.

O navio transportou "25 a 30 escravos Maias, por mês, para Cuba", onde eram obrigados a trabalhar em campos de cana de açúcar, entre 1855 e 1861, "durante a Guerra da Casta", revelou o orgão mexicano.

Num comunicado partilhado no site do Instituto mexicano, Helena Barba Meinecke, uma das arqueólogas que participou na investigação, revelou que foi possível identificar o navio através das "caldeiras que explodiram" causando um incêndio, "compartimentos do navio" e "parafusos de cobre".

Foram ainda identificados "fragmentos de vidro de garrafas e cerâmica" e "talheres" que eram "utilizados por passageiros" que viajavam na primeira classe".

De acordo com a investigação, "La Unión", que naufragou a 19 de setembro de 1861, pertencia à "Zangroniz Hermanos y Compañía", uma companhia espanhola sediada em Havana, que transportava também passageiros de "primeira, segunda e terceira classe, juntamente com mercadoria".