Mundo

Austrália pode ter de abater baleias encalhadas

TASMANIA POLICE HANDOUT

Muitas estão demasiado exaustas para nadar.

As equipas de resgate australianas conseguiram libertar já cerca de 90 baleias-piloto que ficaram encalhadas nos últimos dias na Tasmânia, mas há poucas esperanças de que as restantes consigam sobreviver ou sequer ter condições para voltar a nadar.

O Governo australiano está, por isso, a preparar um plano para se desfazer das carcaças em alto-mar.

“Nas próximas 24 horas, os animais que continuarem vivos terão menos hipóteses de sobreviver. A nossa preferência é desfazermo-nos das carcaças em alto-mar, mas ainda estamos a receber recomendações de especialistas”, informou Nic Deka, um dos responsáveis pela operação de resgate.

Tarefa "assustadora, mas necessária"

Em resultado da debilitação dos animais, muitos dos quais já não terão capacidade para nadar de volta a segurança, a maioria terá que ser abatida, uma tarefa “assustadora, mas necessária”, desabafam os biólogos.

“Pode demorar semanas até que estas baleias morram, e se ficaram expostas ao sol vão sofrer queimaduras. Estamos a pensar numa solução ética e humana”, disse à Reuters o zoólogo Mike Double, responsável pelo Centro Australiano de Pesquisa em Mamíferos Marinhos.

Geralmente baleias mais pequenas como as baleias-piloto são mortas com recurso a armas de fogo.

Este episódio é já um dos maiores de baleias encalhadas alguma vez registado na Austrália e também no mundo, tendo atraído a atenção de cientistas, que continuam sem perceber o fenómeno.

Mais um grupo de baleias encalhado na Tasmânia. Pelo menos 380 estão mortas

Subiu na quarta-feira para 500 o número de baleias-piloto encalhadas na Tasmânia. As autoridades encontraram mais um grupo preso num banco de areia e pelo menos 380 estarão mortas.

Mais de 60 pessoas estão envolvidas nos trabalhos de salvamento, incluindo pescadores locais e voluntários. A maioria das 70 baleias libertadas conseguiu chegar a águas mais profundas, mas existe agora o receio de que possam regressar com a alteração das marés.