Mundo

Ataque no Curdistão iraquiano perto do aeroporto onde estão tropas dos EUA

Ako Rasheed

Não provocou danos nem vítimas.

As autoridades do Curdistão iraquiano denunciaram na quarta-feira um ataque com mísseis, que não provocou danos ou vítimas, contra o aeroporto da capital, Erbil, onde estão destacadas as tropas norte-americanas, integradas na coligação internacional anti-'jihadista'.

O Ministério do Interior do Governo curdo disse em comunicado que seis mísseis foram lançados na direção do aeroporto internacional de Erbil e "os seus alvos não foram atingidos e não causaram quaisquer danos".

Segundo a nota hoje divulgada, os projéteis foram lançados de uma carrinha numa área que se encontra dentro das zonas onde opera a 30.ª Brigada de Multidão Popular, um grupo pró-governamental de milícias maioritariamente xiitas.

"Condenamos veementemente este cobarde ato terrorista, declaramos a nossa vontade de pôr fim a qualquer agressão e pedimos ao Governo federal (do Iraque) que tome todas as medidas necessárias", acrescentou o Ministério do Interior.

O primeiro-ministro curdo, Masrour Barzani, condenou o ataque na sua conta no Twitter, sublinhou que o seu Governo "não tolerará qualquer tentativa de desestabilizar o Curdistão" e a sua resposta será "robusta", apelando ao executivo de Bagdad para responsabilizar os atacantes.

O porta-voz da coligação internacional, o coronel Wayne Marotto, informou no Twitter que "não houve vítimas ou danos" no que chamou de "fogo indireto", embora tenha acrescentado que o incidente está a ser investigado.

O Comando Conjunto de Operações, que reúne todas as forças iraquianas e está coordenado com as forças da coligação, também disse que não houve danos e atribuiu a ação a "grupos terroristas", sem pormenorizar.

Num comunicado foi adiantado que vários mísseis foram lançados e dois deles caíram perto de um campo de deslocados no Curdistão iraquiano, onde os habitantes das cidades conquistadas entre 2014 e 2017 pelo autoproclamado Estado Islâmico se refugiaram.

Estes ataques levaram os Estados Unidos a tomar a decisão "preliminar" de encerrar a sua embaixada em Bagdade, confirmou hoje o executivo iraquiano, no meio do processo de redução e deslocalização das tropas norte-americanas da coligação.