Mundo

Jornalista russa morre depois de se imolar pelo fogo em frente ao Ministério do Interior

Facebook Irina Slavina

"Peço-vos que culpem a Federação Russa pela minha morte".

Uma jornalista russa morreu esta sexta-feira depois de se imolar pelo fogo em frente à sede do Ministério do Interior russo na cidade de Nizhny Novgorod, um dia depois da sua casa ter sido revistada pela polícia, relataram fontes locais.

Antes de cometer tal ação, a jornalista, identificada como Irina Slavina, publicou na sua página pessoal na rede social Facebook uma mensagem a culpabilizar as autoridades russas.

"Peço-vos que culpem a Federação Russa pela minha morte", escreveu Irina Slavina, de 47 anos, que era diretora do diário digital Koza Press, um órgão que era bastante crítico do governo local.

De acordo com os 'media' locais, e citando os serviços de emergência, a jornalista morreu na sequência de queimaduras graves.

Navalny, o opositor envenenado, já reagiu

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, que na quinta-feira acusou o Presidente russo, Vladimir Putin, de ser o responsável pelo seu envenenamento ocorrido em agosto passado, reagiu na rede social Twitter, acusando as autoridades de terem incitado Irina Slavina a cometer tal ato.

Segundo Alexei Navalny, as autoridades russas fabricaram um caso político contra a jornalista, cuja casa tinha sido alvo de buscas na quinta-feira.

Uma opinião partilhada pelo magnata russo e opositor Mikhail Jodorkovski, que também acusou as forças de segurança de pressionarem Irina Slavina no âmbito de um caso aberto contra o movimento político financiado por opositores exilados Rússia Aberta.

Quem era a jornalista?

Irina Slavina era também uma ativista e foi processada em 2019 por ter organizado uma ação em memória do opositor russo Boris Nemtsov, que foi assassinado em 2015 em frente ao Kremlin (sede da Presidência russa).

De acordo com alguns 'media' russos, Irina Slavina era membro de uma igreja fundada nos Estados Unidos, que algumas vozes na Rússia classificam como uma seita e cuja filial russa está relacionada com Mikhail Jodorkovski.

Irina Slavina era uma conhecida jornalista em Nizhny Novgorod, uma das principais cidades russas, e a sua morte desencadeou a reação de vários opositores e ativistas dos direitos humanos, que estão a relacionar este caso à preparação das eleições legislativas russas de 2021.

As autoridades de Nizhny Novgorod anunciaram, entretanto, a abertura de uma investigação preliminar sobre o caso.