Mundo

Conflito em Nagorno-Karabakh. Azerbaijão ataca capital do enclave

Comunidade arménia nos EUA cortou uma autoestrada para alertar para o conflito.

As maiores cidades do enclave Nagorno-Karabakh estão agora debaixo de fogo. O conflito entre Arménia e Azerbaijão continua a subir de tom.

Pelo menos mais de 200 pessoas já morreram.

A comunidade arménia nos Estados Unidos fechou estradas para chamar à atenção para os combates que entram agora na segunda semana.

CONFLITO HISTÓRICO REACENDE

No centro das deterioradas relações entre Erevan e Baku encontra-se a região do Nagorno-Karabakh, no Cáucaso do Sul onde há interesses divergentes de diversas potências, em particular da Turquia, da Rússia, do Irão e de países ocidentais.

Este território, de maioria arménia, integrado em 1921 no Azerbaijão pelas autoridades soviéticas, proclamou unilateralmente a independência em 1991, com o apoio da Arménia.

Na sequência da uma guerra que provocou 30.000 mortos e centenas de milhares de refugiados, foi assinado um cessar-fogo em 1994 e aceite a mediação do Grupo de Minsk, constituído no seio da OSCE, mas as escaramuças armadas permaneceram frequentes.

Em julho deste ano, os dois países envolveram-se em confrontos a uma escala mais reduzida que provocaram cerca de 20 mortos. Os combates recentes mais significativos remontam abril de 2016, com um balanço de 110 mortos.

Veja também: