Mundo

Estudante judeu atacado em Hamburgo. Suspeito tinha documento com suástica no bolso

Matthias Schrader

Autoridades estão preocupadas com o ressurgimento do antissemitismo.

A polícia alemã anunciou esta segunda-feira que abriu uma investigação por "tentativa de homicídio" antissemita depois de um estudante judeu ter ficado gravemente ferido numa agressão numa sinagoga em Hamburgo no passado domingo.

O Governo qualificou o ataque de "uma vergonha".

A agressão aconteceu quase um ano depois (09 de outubro) de um ataque no dia da festa de Yom Kippour, na sinagoga em Halle (Saxónica-Anhalt), e no qual duas pessoas morreram.

Vítima foi atacada com uma pá

A vítima deste domingo tem 26 anos, e foi atacada com uma pá na cabeça no momento em que entrava na sinagoga, onde ocorria a festa de Succot, também conhecida por "festa das cabanas".

De acordo com a comunicação social alemã, a sinagoga estava cheia de fiéis.

O jovem agredido conseguiu abrigar-se e ter os primeiros socorros prestados por transeuntes, antes de ser hospitalizado.

Atacante tinha documento com cruz suástica

Os investigadores encontraram um documento com uma cruz suástica no bolso do presumível atacante, de 29 anos, que vestia um uniforme do exército alemão, diz a polícia de Hamburgo num comunicado.

Segundo o porta-voz da polícia, o suspeito foi preso imediatamente após o ataque e deu a impressão de estar "extremamente confuso", tornando o interrogatório muito difícil.

"A avaliação das circunstâncias (a agressão) conduz a um ataque por motivações antissemitas", considerou hoje a polícia.

O Ministério Geral da República, responsável por casos mais sensíveis, vai conduzir a investigação que foi aberta por "tentativa de homicídio de caráter antissemita".

Ressurgimento do antissemitismo preocupa autoridades

Num país assombrado por seu passado, as autoridades estão preocupadas com o ressurgimento do antissemitismo nos últimos tempos, alimentado, em particular, pela extrema direita.

"Estamos consternados perante um vergonhoso ato de violência contra um judeu", afirmou hoje o porta-voz da chanceler alemã Angela Merkel, Steffen Seibert após o ataque ao estudante que usava um 'kipá', o que o "identificava como judeu".

O ataque gerou as mais duras condenações do Conselho Central dos judeus da Alemanha e de todo o arco parlamentar alemão.