Mundo

Explosão em paiol russo obriga à evacuação de uma dezena de localidades

Bombeiros com dificuldades no combate às chamas porque continuam a registar-se mais explosões de munições.

Os habitantes de uma dezena de localidades russas estão esta quarta-feira a ser retirados após um incêndio, seguido de explosões, de um depósito de munições em Riazan, 200 quilómetros a sudeste de Moscovo, indicou o Governo da Rússia.

Citado pelas agências noticiosas, o Ministério para as Situações de Emergência russo sublinhou estar em curso uma operação para evacuar todas as localidades num raio de cinco quilómetros em torno do local da explosão.

O incêndio deflagrou ao início da tarde numa área onde se localiza o paiol e, ao atingir as munições instaladas em vários armazéns, foi seguido por uma série de explosões de armamento, referiu o ministério russo, adiantando que, até agora, foram retiradas da zona cerca de 1.600 pessoas.

O incidente, que ocorreu na localidade de Jeltoukhino, "não provocou feridos", assegurou, por seu lado, o Exército russo, que admitiu que, no paiol, estão armazenadas munições de artilharia.

"[Os bombeiros] estão a lutar contra o fogo para combater o fogo e estão com dificuldades para o combater, uma vez que continuam a registar-se explosões de munições", indicou o serviço de imprensa do Distrito Militar do Oeste, onde se situa a região de Riazan.

Mais de 100 operacionais, apoiados por 26 veículos especializados, foram destacados para o local para combater o incêndio, bem como um comboio especialmente equipado para lutar contra fogos.

Dois helicópteros e um avião estão também em estado de alerta para participar nas operações de combate ao incêndio se, para tal, forem solicitados.

  • Covid-19. Conselho de Ministros anuncia hoje novas medidas

    Coronavírus

    O Conselho de Ministros reúne-se para decretar "ações imediatas" de controlo da pandemia. O recolher obrigatório é uma das propostas apresentadas pelo Governo aos partidos esta 6ª feira. Os EUA continuam a ser o país mais afetado pela Covid-19. No Mundo há registo de mais de 45 milhões de infetados e 1,1 milhões de mortos.

    Ao Minuto

    SIC Notícias