Mundo

Coreia do Sul captura norte-coreano que atravessou fronteira

Ahn Young-joon/ AP

O homem cruzou a Zona Desmilitarizada que separa as duas Coreias, na noite de terça-feira.

O exército sul-coreano anunciou esta quarta-feira ter capturado um norte-coreano que entrou pela fronteira militarizada que divide a península.

O homem cruzou a Zona Desmilitarizada (DMZ, na sigla em inglês), que separa as duas Coreias, na noite de terça-feira e nas proximidades do condado de Goseong (faixa de fronteira leste, a cerca de 150 quilómetros a nordeste de Seul), disse o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

As tropas da Coreia do Sul capturaram o indivíduo após um intenso destacamento de patrulhas que responderam a um alerta acionado antes de uma possível intrusão de comandos norte-coreanos.

"Faremos uma investigação sobre o indivíduo, incluindo como cruzou a fronteira, e se pretende desertar [para o sul]", indicou a mesma nota, acrescentando que nenhum movimento incomum dos militares norte-coreanos foi detetado.

Embora não tenha sido especificado se o homem é militar ou não, as características do acontecimento sugerem que se trata de uma deserção.

Diversas deserções, sobretudo de militares, ocorreram nos últimos anos a partir da DMZ, embora em geral sejam raras devido à forte presença de tropas em ambos os lados da fronteira.

A mais espetacular ocorreu em 2017, quando um soldado da Coreia do Norte dirigiu uma viatura até à Zona de Segurança Conjunta, o único ponto de fronteira onde os militares dos dois países se veem, e correu para o território sul-coreano, enquanto era alvo de disparos do lado norte-coreano.

Os dois países continuam tecnicamente em guerra, uma vez que a Guerra da Coreia (1950-53) terminou com a assinatura de um armistício e não de um tratado de paz.

  • Os Óscares não serão virtuais

    Opinião

    Na situação de pandemia, particularmente gravosa nos EUA, como se poderão realizar os Óscares? Um representante da Academia de Hollywood garante que o essencial não vai mudar: a cerimónia terá lugar no Dolby Theatre.

    João Lopes