Mundo

Estigma dificulta luta contra a sida em Moçambique

DR

A AIDS Healthcare Foundation lembra que resposta global à Sida "ainda é insuficiente a cada ano", uma lacuna que deverá aumentar com a pandemia da covid-19.

O receio de estigmatização dentro das famílias e comunidades leva muitas pessoas em Moçambique a afastar-se dos testes e tratamentos de HIV, cujo subfinanciamento mundial deve crescer por causa da covid-19, alertou esta terça-feira a AIDS Healthcare Foundation (AHF).

O alerta é lançado pela ONG a propósito do Dia Mundial de Combate à Sida.

"Em Moçambique, cerca de 2,2 milhões de pessoas vivem com HIV e estima-se que 398 novas infeções ocorram diariamente", refere a AHF, "mas nem todas as pessoas que têm o vírus conhecem o seu seroestado".

Segundo um relatório do Ministério da Saúde (Misau) moçambicano relativo a 2019, 73% das pessoas com HIV tinham sido diagnosticadas, 59% destas estavam em tratamento, mas só 32% atingiram a supressão viral.

Os valores colocam Moçambique longe do objetivo global de atingir as percentagens 90-90-90 em cada um daqueles patamares.

"Estes números levam-nos a uma reflexão inevitável de que, apesar dos avanços alcançados na resposta ao HIV no país, ainda temos muito que fazer", destaca a AHF.

Boa parte do trabalho deve ser dirigido "para a não discriminação e estigmatização, pois se as pessoas recearem os seus familiares e demais conhecidos, podem não aderir aos testes de HIV e ao tratamento específico, que determina a supressão viral", disse Catarina Regina, diretora da AHF em Moçambique.

"Paradoxalmente, o uso do preservativo no país ainda é baixo, principalmente nos grupos com comportamentos de risco, mesmo com todos os avanços e descobertas em relação ao HIV", acrescentou.

A resposta global à Sida "ainda é insuficiente a cada ano" e "essa lacuna provavelmente aumentará ainda mais com a pandemia da covid-19".

"Embora a covid-19 tenha devastado comunidades em todo o mundo e permanecido no centro das atenções desde o ano passado, o mundo deve continuar a lutar para proteger os ganhos alcançados contra o HIV e sida - uma pandemia com mais de 30 anos e que continua a ser uma crise de saúde pública global", sublinhou a AHF.