Mundo

Israel transfere 950 milhões de euros que devia à Autoridade Palestiniana

Ariel Schalit

Em causa s impostos, em particular alfandegários, que o Estado hebraico arrecada em nome da Autoridade Palestiniana.

Israel transferiu cerca de 950 milhões de euros devidos à Autoridade Palestiniana, disse esta quarta-feira um alto funcionário palestiniano, semanas após a retomada da coordenação da segurança entre os dois lados.

"O Governo israelita transferiu tudo o que era devido financeiramente à Autoridade Palestiniana, ou seja, 3,768 mil milhões de shekels" (950 milhões de euros), escreveu no Hussein al-Sheikh, ministro dos Assuntos Civis da Palestina, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O ministro palestiniano referia-se aos impostos, em particular alfandegários, que o Estado hebraico arrecada em nome da Autoridade Palestiniana e que estavam bloqueados desde o fim de maio.

No início desta semana, uma autoridade israelita e disse à agência de notícias AFP, sob condição de anonimato, que "o gabinete de segurança tinha aprovado a transferência do dinheiro para a Autoridade Palestiniana", mas sem especificar o valor.

O primeiro-ministro palestiniano, Mohammad Shtayyeh, disse na segunda-feira que os palestinianos tinham "direito" a esse dinheiro, que deve fornecer uma lufada de ar fresco para a economia palestiniana, que enfrenta uma grave crise orçamental.

Os funcionários "ficarão com o que lhes for devido. Eles foram pacientes por meses e é apenas uma questão de um pouco mais de tempo para que tudo fique claro", disse Shtayyeh.

Privada de transferência de impostos, a Autoridade Palestiniana teve de cortar os salários dos seus funcionários públicos, num momento em que a economia palestiniana está a desacelerar devido à pandemia do novo coronavírus.

O Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, justificou em maio o fim da coordenação de segurança entre os dois lados para protestar contra o projeto israelita, agora suspenso, de anexar partes da Cisjordânia, território ocupado pelo exército israelita desde 1967.

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes