Mundo

Primeiro-ministro romeno demite-se após derrota eleitoral

Inquam Photos

Os liberais pró-europeus devem permanecer no poder, apesar da derrota nas eleições.

O primeiro-ministro romeno, Ludovic Orban, anunciou esta segunda-feira a sua demissão, um dia após a derrota do seu partido nas eleições legislativas, num contexto de fortes críticas à gestão da pandemia de covid-19.

"Decidi hoje [segunda-feira] apresentar minha demissão, depois de um ano e um mês em que a Roménia enfrentou um período extremamente difícil", disse Orban, 24 horas depois de conhecer o mau resultado do seu Partido Nacional Liberal (PNL) e referindo-se aos problemas gerados pela pandemia.

Apesar da derrota eleitoral do PNL e da demissão de Orban, os liberais pró-europeus devem permanecer no poder, aliando-se a partidos menores.

O PNL de Orban tinha intenções de voto de 45% nas sondagens em janeiro, que foi diluída até cair para os 25% de votos obtidos nas urnas, este domingo, atrás dos 30% de votos do Partido Social Democrata, e à frente da aliança centrista USR PLUS.

Orban governava desde novembro do ano passado, quando chegou ao poder depois de derrubar o Governo social-democrata anterior, através de uma moção de censura, usando como bandeira política o objetivo de reduzir o défice de 4,6% com que a Roménia fechou 2019, mas a crise da sanitária arruinou as suas aspirações e condenou a Roménia a uma profunda crise económica.

O Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, próximo de Orban, já anunciou que nomeará um primeiro-ministro de centro-direita para formar um Governo de coligação entre o PNL, o USR PLUS e outras formações menores de centro-direita.

Pouco antes da demissão de Orban, o USR PLUS tinha pedido a "cabeça" do primeiro-ministro como condição para entrar no Governo.

Iohannis vai decidir a quem confia a formação do Governo depois de se encontrar com os partidos, nos próximos dias, mas já afastou a possibilidade de o próximo primeiro-ministro, que precisa de se submeter à confiança do Parlamento, ser um social-democrata, apesar da vitória nas eleições desse partido.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão