Mundo

Acusação pede quatro anos de prisão para Nicolas Sarkozy

IAN LANGSDON

O antigo Presidente da República de França está a ser julgado por corrupção e tráfico de influência.

O procurador nacional financeiro pediu esta terça-feira quatro anos de prisão, dois com pena suspensa, contra o antigo Presidente da República Nicolas Sarkozy, julgado por corrupção e tráfico de influência num processo inédito em França.

A acusação indicou as mesmas penas para os seus coacusados, o antigo alto magistrado Gilbert Azibert, e Thierry Herzog, advogado histórico de Sarkozy, e pedindo para este último que seja impedido de exercer a profissão durante cinco anos.

O ex-presidente, de 65 anos e que exerceu o cargo entre 2007 e 2012, foi julgado em conjunto com Herzog, também de 65 anos, e Gilbert Azibert, a quem terão prometido em 2017 um posto no Conselho de Estado do Mónaco se este magistrado, que estava então no Supremo, ajudasse na investigação do designado "caso Bettencourt", referência à investigação ao financiamento ilegal da campanha presidencial de 2007 pela mulher mais rica da França, a herdeira da L'Oreal Liliane Bettencourt.

O suposto caso de corrupção agora em julgamento foi possível devido ao registo das conversas telefónicas de Sarkozy com o seu advogado, incluídas num outro processo relacionado com um alegado financiamento da sua campanha de 2007 com dinheiro do regime líbio de Muammar Kadhafi.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia