Mundo

Conhecidos os resultados preliminares das análises às pessoas afetadas por doença misteriosa na Índia

AP

Aumentou para 500 o número de pessoas afetadas por esta doença ainda desconhecida.

O número de pessoas afetadas por uma doença não identificada na Índia aumentou para 500, avançaram as autoridades de saúde, como explica a BBC. Neste momento, 300 já tiveram alta e 19 foram transferidas de hospital para receber um melhor tratamento.

Numa nota divulgada, o Departamento de Saúde de Andhra Pradesh esclarecia que as primeiras análises ao sangue não encontraram nenhuma evidência de infeção viral, como dengue ou chikungunya, ambas causadas por picadas de mosquito. Mas um deputado indiano do partido Bharatiya Janata revelou que as análises preliminares ao sangue dos pacientes mostravam grandes quantidades de metais pesados, como o chumbo ou o níquel.

A contaminação da água e a poluição foram descartadas como causas da doença, depois de inicialmente serem apontadas como prováveis.

"É uma doença misteriosa e apenas análises de laboratório vão revelar o que é", disse Alla Kali Krishna Srinivas, ministro da Saúde.

O Ministério da Saúde indiano divulgou que há especialistas em venenos que estão em contacto com médicos de Eluru, a cidade de origem da maioria das pessoas doentes. Também especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) deverão chegar em breve à cidade para novas investigações, avança a BBC.

Apesar do estado de Andhra Pradesh, a que pertence a cidade de Eluru, ser um dos estados mais afetados pela pandemia na Índia, com mais de 800.000 casos confirmados, nenhuma das 500 pessoas testou positivo para a doença.

"Todos os pacientes tiveram resultados negativos para a covid-19", disse Dolla Joshi Roy, delegada de saúde responsável.

A maioria dos doentes manifestou sintomas como convulsões, perda de consciência e algumas náuseas.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias