Mundo

EUA adiciona Nigéria à lista negra de países que atentam contra liberdade religiosa

"Nenhum país ou entidade deve poder perseguir com impunidade pessoas com base nas suas crenças."

Os Estados Unidos acrescentaram esta segunda-feira a Nigéria à lista de países de "particular preocupação" no que diz respeito à liberdade religiosa, considerada "a primeira das liberdades" pelo chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo.

"Os Estados Unidos da América (EUA) são inabaláveis no seu compromisso com a liberdade religiosa. Nenhum país ou entidade deve poder perseguir com impunidade pessoas com base nas suas crenças. Estas designações anuais mostram que quando a liberdade religiosa for atacada, nós iremos agir", escreveu na rede social Twitter o Secretário de Estado norte-americano.

Esta lista, prosseguiu Pompeo através de outro 'tweet', incluiu a China, a Eritreia, o Irão, a Nigéria, a Coreia do Norte, o Paquistão, a Arábia Saudita, o Tajiquistão e o Turquemenistão, países que perpetuam "violações sistemáticas, contínuas e notórias da liberdade religiosa".

Mike Pompeo não incluiu, no entanto, a Índia, apesar da recomendação feita nesse sentido pela comissão responsável pela avaliação da liberdade religiosa a nível internacional.

Este órgão denunciou uma "drástica deterioração" desta condição sob a égide do primeiro-ministro indiano, Nerendra Modi, um conhecido aliado do Presidente cessante dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump.

O Sudão, que abandonou esta lista no ano passado, também sai este ano da lista de Estados "sob vigilância", por causa das "reformas corajosas" levadas a cabo pelas autoridades responsáveis pela transição de poder no país.

Cartum também abandonou recentemente a 'lista negra' dos EUA de países que, alegadamente, apoiam o terrorismo.

A Nigéria ascendeu da lista de países "sob vigilância" para os países de "particular preocupação", apesar de Pompeo não ter justificado esta decisão.

Contudo, o último relatório sobre liberdade religiosa no mundo, publicado em junho pelo Departamento de Estados dos EUA, dá conta de que há tensões entre as autoridades nigerianas e o grupo radical xiita "Movimento Islâmico na Nigéria", cujas manifestações são habitualmente reprimidas de um modo violento.

A Igreja Católica nigeriana apelou no ano passado à proibição desta organização, que vê a sua constituição como uma liberdade à religião em geral.

A inclusão nesta lista poderá levar a sanções contra a Nigéria, incluindo a retirada de qualquer apoio económico de Washington.

Mike Pompeo, um cristão evangélico devoto, fez da defesa da liberdade religiosa a principal prioridade ao nível dos direitos humanos, uma área que foi, no entanto, pouco destacada pela administração do Presidente cessante.

  • O exemplo inglês 

    Opinião

    Na década de oitenta, as tragédias de Heysel Park primeiro e de Hillsborough depois, atiraram a credibilidade do futebol inglês para a sarjeta.

    Duarte Gomes