Mundo

Julgamento de ex-presidente da África do Sul adiado para fevereiro de 2021

Siphiwe Sibeko/ REUTERS

Jacob Zuma é acusado num caso de suborno milionário.

O julgamento por corrupção do ex-presidente da África do Sul, Jacob Zuma, acusado num caso de suborno milionário, foi hoje adiado para 23 fevereiro de 2021, anunciou a juíza sul-africana.

"O caso é adiado provisoriamente para 23 de fevereiro de 2021 para a resolução das questões pendentes sobre os procedimentos de preparação do julgamento", disse a juíza Nompumelelo Radebe.

Entre as 'questões pendentes' destaca-se a sentença de uma aplicação judicial da empresa de armamento francesa Thales ouvida pelo tribunal em 26 de outubro 2020, referiu.

No processo penal a decorrer em Pietermaritzburg, sudeste da África do Sul, Jacob Zuma enfrenta várias acusações por envolvimento em operações, supostamente fraudulentas, a favor de um contrato público de aquisição de armamento com o grupo francês Thales de mais dois mil milhões de dólares, em 1999.

Jacob Zuma negou sempre todas as acusações, que foram retiradas ao ser nomeado chefe de Estado em 2009, afirmando ser uma 'caça às bruxas' política do partido no poder, na altura liderado pelo Presidente Thabo Mbeki, que governou entre 1999 e 2008.

O programa de aquisição militar sul-africano no final da década de 1990 envolveu a compra de armamento e equipamento militar pelo Governo do Congresso Nacional Africano, liderado por Nelson Mandela, em 1999, no valor de 30 mil milhões de rands (cinco mil milhões de dólares em 1999, cerca de 1,5 mil milhões de euros ao câmbio atual).

A aquisição de armamento, popularmente conhecida por 'Acordo de Armas', envolveu várias empresas europeias da Alemanha, Itália, Suécia, Reino Unido e França, além da África do Sul.

  • 1:55
  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes