Mundo

Repórteres Sem Fronteiras em choque com execução de jornalista iraniano

Ativista e jornalista iraniano Ruhollah Zam

Wana News Agency

Teerão enforcou jornalista iraniano Ruhollah Zam por incitar protestos contra regime.

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) manifestou-se hoje "chocada" com a execução esta manhã por enforcamento do jornalista iraniano Ruhollah Zam, opositor do regime, pelo seu papel na vaga de contestação no inverno de 2017-2018.

Numa mensagem na rede social Twitter, a RSF, que estava a acompanhar em particular o caso de Zam, sublinha que "alertou para execução iminente a partir de 23 de outubro" à Alta-Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

Manifestou-se ainda "chocada que a justiça iraniana e o patrocinador deste ato @ali_khamenei [líder supremo iraniano] tenham cumprido a sua sentença".

Esta manhã, a televisão estatal iraniana anunciou que o ativista e jornalista Ruhollah Zam tinha sido "enforcado por causa da 'gravidade' [dos seus] crimes", poucos dias após o anúncio da confirmação da sua pena no Supremo Tribunal, referem os Repórteres Sem Fronteiras.

Zam viveu no exílio em França vários anos, antes de ser preso pela Guarda Revolucionária, o exército ideológico da República Islâmica, em circunstâncias obscuras.

A sua prisão foi anunciada em outubro de 2019, mas o Irão não especificou o local ou a data dos factos, acusando Zam, nascido em 1973, de estar a atuar a "mando da inteligência francesa e apoiado" pelos serviços secretos dos Estados Unidos e Israel.

Ruhollah Zam, que tinha estatuto de refugiado em França, dirigia um canal 'online', o Amadnews, na plataforma de mensagens criptografadas Telegram, e foi considerado culpado pelo seu papel ativo, através deste meio, no protesto realizado no inverno de 2017-2018, quando pelo menos 25 pessoas foram mortas.

Mais de 2.650 jornalistas foram mortos nos últimos 30 anos, dos quais mais de 40 em 2020, segundo o Livro Branco sobre Jornalismo Global, da Federação Internacional de Jornalistas, divulgado no Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino