Mundo

Boko Haram reivindica rapto de centenas de estudantes no noroeste da Nigéria

George Osodi

Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, condenou o ataque e ordenou o reforço da segurança em todas as escolas.

O líder do grupo extremista Boko Haram, Abubakar Shekau, reivindicou esta terça-feira o rapto de centenas de estudantes de um liceu no noroeste da Nigéria, na madrugada de sábado.

"Sou Abubakar Shekau e os nossos irmãos organizaram o rapto em Katsina", anunciou o líder, também responsável pelo o rapto de 276 raparigas, em Chibok, em 2014, desencadeando uma onda de indignação mundial.

Pelo menos 333 adolescentes continuam dados como desaparecidos desde o ataque ao liceu, no estado de Katsina, no noroeste da Nigéria, a centenas de quilómetros de distância do território do Boko Haram, que opera habitualmente no nordeste do país, em torno do lago Tchad.

Mais de uma centena de homens armados em motorizadas atacaram na madrugada de sábado a escola rural situada na localidade de Kankara, levando centenas de adolescentes a fugir.

Inicialmente, o rapto tinha sido atribuído a grupos armados, denominados "bandidos", que aterrorizam as populações nesta região instável onde os sequestros com resgate se tornaram correntes.

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, condenou o ataque e ordenou o reforço da segurança em todas as escolas. No estado de Katsina, os estabelecimentos escolares foram fechados.

Na segunda-feira, o exército indicou ter localizado "o covil dos bandidos", acrescentando que uma operação militar estava em curso.

A segurança deteriorou-se fortemente no norte da Nigéria desde a eleição de Buhari, em 2015, que anunciou a luta contra o Boko Haram como prioridade do mandato.