Mundo

Pelo menos dez mortos e nove feridos em acidente de viação no sul do Peru

Acidente ocorreu entre as cidades de Arequipa e Juliaca, no distrito de Santa Lucía, a mais de 1.200 quilómetros a sul de Lima.

Pelo menos dez pessoas morreram e nove ficaram feridas, na segunda-feira, na sequência do choque entre um camião e uma camioneta de passageiros, no sul do Peru, noticiaram órgãos de comunicação social locais.

O acidente ocorreu entre as cidades de Arequipa e Juliaca, no distrito de Santa Lucía, a mais de 1.200 quilómetros a sul de Lima, perto da fronteira com a Bolívia.

Testemunhas citadas pelo Canal N de televisão afirmaram que os dois veículos circulavam com excesso de velocidade e chocaram quando o camião-cisterna saiu para a faixa contrária, ao fazer uma curva perigosa.

A camioneta de passageiros, saída de Juliaca, em Puno, com destino a Arequipa, na região vizinha com o mesmo nome, chocou frontalmente com o camião, tendo ficado com a parte dianteira totalmente destruída.

De acordo com os media locais, aparentemente o veículo transportava os passageiros informalmente.

Alguns dos feridos conseguiram sair da camioneta destruída e foram socorridos, inicialmente, por outros condutores que passavam na zona. O motorista do camião saiu ileso do acidente.

Os nove feridos foram transportados para o centro de saúde de Santa Lucía por agentes da polícia de estradas, depois de vários terem sido socorridos por bombeiros voluntários.

Peritos da polícia nacional do Peru e do Ministério Público deslocaram-se à zona para investigar os pormenores do violento choque.

Os acidentes desta dimensão são habituais nas estradas peruanas, e a maioria é causada pela imprudência dos condutores, ao que se junta o mau estado das estradas e do parque automóvel.

Até 2019, o Peru registou cerca de três mil mortos por ano em acidentes de tráfego, na maioria devido a atropelamentos. As autoridades contabilizaram ainda 55 mil feridos, de acordo com dados do Conselho de Segurança Viária peruano.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia