Mundo

Irmã de Kim Jong-un chama "idiotas" às autoridades sul-coreanas

Jorge Silva

A informação foi adiantada terça-feira pela agência noticiosa oficial norte-coreana, KCNA.

A influente irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un chamou "idiotas" às autoridades sul-coreanas, depois de estas terem dito que observaram sinais de um possível desfile militar em Pyongyang, no fim de semana.

A informação foi adiantada terça-feira pela agência noticiosa oficial norte-coreana, KCNA.

"Os sul-coreanos são realmente um grupo estranho e difícil de compreender", sublinhou Kim Yo Jong, conselheira do irmão, num comunicado transmitido pela KCNA.

Segundo Kim Yo Jong, "eles são idiotas e estão no topo da lista de mau comportamento no mundo".

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, foi eleito "por unanimidade" secretário-geral do Partido dos Trabalhadores, o único no país, num congresso que terminou no domingo, na capital, Pyongyang, onde, de acordo com a Coreia do Sul, poderá ter sido promovido um desfile militar.

O exército sul-coreano disse ter detetado sinais de que tal desfile tinha tido lugar no domingo à noite, embora frise não poder confirmar se era "o evento em si ou um ensaio".

A declaração foi "insensata" e mostrou uma "atitude hostil" por parte do sul, considerou Kim Yo Jong.

"Organizámos apenas um desfile militar na capital, não exercícios militares dirigidos a ninguém ou lançamento de nada", declarou, confirmando implicitamente a realização do desfile.

No discurso durante o congresso de partido único, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, prometeu "reforçar" o arsenal nuclear do país, mas também admitiu erros na gestão da economia, transmitiu a KCNA.

A sua irmã, Kim Yo Jong, não está na lista de pessoas nomeadas para o Comité Central, o que poderia levar a crer que a sua influência sobre o chefe do Governo está a diminuir, mas a publicação de um comunicado, em seu nome, veiculado pela KCNA, indica que continua a ser uma figura central na diplomacia norte-coreana.

A Coreia do Norte, duramente atingida pelas sanções internacionais, e mais isolada do que nunca, devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, encontra-se com imensas dificuldades económicas.