Mundo

Moçambique. Ciclone Eloise deixa cidade de Beira inundada e sem comunicações

ANDRÉ CATUEIRA

Quatro pessoas morreram e milhares ficaram desalojados.

A região central de Moçambique foi, na madrugada deste domingo, atingida pelo ciclone Eloise que trouxe uma forte precipitação e ventos de mais de 160km/h. A cidade portuária de Beira foi uma das principais afetadas. Segundo as autoridades oficiais, pelo menos quatro pessoas morreram.

Em menos de 24 horas, Beira foi atingida por 250mm de chuva, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia de Moçambique. A tempestade chegou à cidade durante a noite tornando “impossível dormir por causa do barulho e do medo”, conta à BBC Chris Neeson, funcionários da ONU em Beira.

“Eu ouvia tanto vento e chuva nas primeiras horas da madrugada. Água a entrava em minha casa, assim como pedras e folhas que voaram da casa do meu vizinho. Ficámos sem eletricidade desde a noite passada e não conseguimos fazer chamadas”, prossegue.

De manhã, o cenário mostrava o impacto do ciclone: “Quando saí, havia água em todo o lado – até aos meus joelhos – e árvores, cabos elétricos, telhas e cercas completamente destruídas, espalhadas pelas ruas. Graças a Deus que parou de chover. Eu nunca pensei que poderia ter medo de água, mas isto foi horrível”, descreve ainda Chirs Neeson.

O ciclone Eloise, que entretanto desceu de categoria para uma tempestade tropical, segue em direção oeste, dirigindo-se para Zimbabué e para a região norte de África do Sul.

As autoridades locais, em conjunto com agências de apoio humanitário, estão a fazer o levantamento dos danos causados pelo ciclone. A rede de eletricidade e de comunicações continua em baixo, deixando algumas áreas sem qualquer acesso.

Beira é a segunda maior cidade de Moçambique, com uma população de cerca de 500 mil pessoas. Depois da passagem do ciclone, mais de mil casas ficaram completamente destruídas e outras três mil estão danificadas gravemente. Segundo Antonio Beleza, representante do Instituto Nacional de Moçambique para a Gestão e Redução de Desastres, mais de 160 mil pessoas foram afetadas por esta tempestade.

Na região central de Moçambique, foi ainda registada a subida do caudal de rios, que galgaram as margens e inundaram zonas envolventes. Também vastos campos de cultivo ficaram completamente alagados, levando muitas pessoas a perder as suas colheitas.

O nível da água estava já elevado antes da chegada do ciclone Eloise, devido à tempestade tropical Chalane que atingiu a região no início do ano com chuvas intensas. Também em 2019, o país foi sido atingido por dois ciclones devastadores - Ida e Kenneth - que fizeram centenas de mortos e deixaram milhares de desalojados.