Mundo

Nova Zelândia liberta dezenas de baleias-piloto encalhadas pela segunda vez

Baleia-piloto vigiada por equipa de resgate, composta por especialistas na conservação da vida marinha e voluntários.

@ProjectJonah

Pelo menos 28 baleias-piloto foram transportadas novamente para águas profundas.

Equipas de resgate da Nova Zelândia libertaram esta terça-feira dezenas de baleias-piloto encalhadas pela segunda vez na costa do país, depois de na véspera terem sido levadas para alto mar, disseram as autoridades neozelandesas.

Pelo menos 28 baleias-piloto foram transportadas novamente para águas profundas, indicou uma porta-voz do departamento de conservação neozelandês.

Os mamíferos continuam a ser vigiados por equipas de resgate, compostas por especialistas na conservação da vida marinha e dezenas de voluntários.

baleias-piloto presas em Farewell Spit

Na segunda-feira, um grupo de 49 baleias-piloto ficaram presas em Farewell Spit, considerado o mais longo cordão de areia do mundo, na ilha Sul, a 90 quilómetros de Nelson, tendo pelo menos nove morrido.

Farewell Spit, uma língua de areia com cerca de 30 quilómetros de comprimento, registou uma dezena de casos de baleias encalhadas nos últimos 15 anos.

Em fevereiro de 2017, cerca de 700 mamíferos ficaram ali retidos, tendo morrido 250.

O maior incidente deste tipo registado em todo o mundo ocorreu em 1918, quando cerca de mil baleias-piloto ficaram presas nas ilhas Chatham, no sudeste da Nova Zelândia.

Na Austrália, em setembro de 2020, 380 baleias-piloto morreram após terem ficado encalhadas, no maior incidente do género registado no país.