Mundo

Hammam do século XII descoberto num bar em Sevilha

facebook.com/CerveceriaGiralda

Obras de renovação trouxeram antigo banhos públicos à luz do dia.

Durante as obras que começaram no verão passado num bar em Sevilha foi descoberto um hammam do século XII perfeitamente preservado. Os clientes deste bar podem agora desfrutar de uma bebida enquanto admiram as pinturas e ornamentos islâmicos.

A clarabóia em forma de estrela apareceu logo do início dos trabalhos. Álvaro Jimenez, um arqueólogo chamado para auxiliar nos trabalhos nesta área protegida devido à sua proximidade com a Catedral de Sevilha, disse à AFP que ficou surpreendido, pois "não esperava de todo" esta descoberta.

Seguiram-se mais 87 claraboias, estrelas, octógonos desenhando um céu estrelado neste bar de estilo árabe chamado Giralda - como o antigo minarete da mesquita de Sevilha.

Os trabalhadores descobriram na sala de 202 metros quadrados um hammam com uma sala fria, outra morna e outra quente.

Termas com mais de 800 anos cujas pinturas, esculturas e decorações de parede ficaram congeladas no tempo graças a um arquitecto do início do século XX, Vicente Traver, que em 1928 ocultou estas decorações e estas clarabóias quando construiu mais dois pisos.

"Pensávamos que [o arquiteto] tinha destruído este património e devemos reconhecer que o salvou”. “Ele encontrou-o e preservou-o para o futuro”, disse Álvaro Jimenez.

No século XII, Sevilha, conquistada pelos almóadas em 1147, era uma das duas capitais de seu império, tal como Marraquexe.

"A Catedral de Sevilha foi erguida sobre os restos da Mesquita Almóada Aljama, construída entre 1172 e 1198" e "estes banhos estão nesta área da cidade que os almóadas tornaram monumental e converteram no seu centro político, religioso, económico" , explicou Alvaro Jimenez.

Além dos mosaicos já existentes antes da renovação, são agora visíveis paredes ornamentadas e abóbadas.

O bar, que deve reabrir em breve, tornou-se um museu vivo, totalmente refeito num estilo requintado, que evidencia a história do local.

  • O bicho homem em quatro episódios

    Opinião

    Gostava muito de partilhar o otimismo de Attenborough e de Bregman. Mas depois há episódios como o da Superliga. Ou o das vacinas concentradas no hemisfério Norte. E a esperança esvai-se. Como as superfícies geladas do Ártico no verão.

    Cristina Figueiredo