Mundo

Myanmar: mais dois manifestantes mortos pela polícia em dia de greve geral

STR

Duas pessoas foram hoje mortas a tiro pela polícia birmanesa durante protestos na cidade de Myitkina, num dia em que os sindicatos cumprem uma greve geral contra a Junta militar que tomou o poder em Myanmar (antiga Birmânia).

Duas pessoas foram hoje mortas a tiro pela polícia birmanesa durante protestos na cidade de Myitkina, num dia em que os sindicatos cumprem uma greve geral contra a Junta militar que tomou o poder em Myanmar (antiga Birmânia).

A imprensa da região refere que "há feridos" e que pelo menos um encontra-se em estado grave.

A violenta repressão dos manifestantes que protestam contra o golpe de Estado na Birmânia, ocorrido a 01 de fevereiro, já causou mais de 50 mortos, todos assassinados pelas forças militares e policiais.

STR

Myanmar regista hoje mais uma jornada de protestos nas principais cidades do país, numa altura em que os sindicatos cumprem uma greve geral contra a Junta Militar que mantém encerradas dependências bancárias, fábricas e alguns estabelecimentos comerciais.

Os trabalhadores do setor da saúde foram os primeiros a iniciar greves no quadro do movimento de desobediência civil que exige aos militares a instauração da democracia e o respeito pelos resultados eleitorais das legislativas de novembro de 2020.

Os funcionários do Estado, agricultores e trabalhadores do setor privado estão a juntar-se aos protestos dos mais jovens neste dia de greve de protesto contra os militares.

O movimento pede também a libertação dos políticos presos e que foram eleitos nas eleições do ano passado, entre os quais a líder da Liga Nacional para a Democracia, Aung San Suu Kyi, deposta pelos militares.

Entretanto, a polícia voltou a reprimir com violência as manifestações em Mandalay, a segunda cidade do país onde, pelo menos, seis pessoas foram feridas a tiro.

Uma mulher de 22 anos e um menor de 15 anos encontram-se em estado crítico, de acordo com o portal Myanmar Now.

Desde o golpe de Estado, os militares detiveram, pelo menos, 1.790 pessoas, sendo que 318 foram, entretanto, libertadas, de acordo com a Associação de Assistência a Presos Políticos.