Mundo

Exército tunisino mata casal de supostos terroristas

Canva

Um dos elementos do casal ativou um cinturão de explosivos que transportava.

A Guarda Nacional tunisina abateu esta quinta-feira dois supostos terroristas no monte Salloum, na região de Kasserine, perto da Argélia, após uma das pessoas, uma mulher asiática, ter ativado um cinturão de explosivos que transportava, segundo a imprensa local.

De acordo com os relatos noticiados pela agência Efe, os presumíveis atacantes são um casal que se tinha juntado recentemente a grupos terroristas instalados na zona montanhosa.

Durante a operação antiterrorista, a filha do casal, uma menor de três anos que os acompanhava, ficou ferida, pelo que teve de ser transferida para o hospital regional, apesar do seu estado de saúde estar estável.

Desde 2011, o grupo jiadista Jund al-Khalifa (Soldados do Califado), afeto ao Daesh, e a brigada Okba Ibn Nafaa, ramo local da organização terrorista Al Qaeda, instalaram-se na zona montanhosa, uma área de exclusão militar.

As autoridades tunisinas desarticularam, em 2020, pelo menos 33 células de ideologia takfirista e detiveram um total de 1.020 indivíduos por pertencerem a organizações terroristas.

De acordo com o grupo de análise The Soufian Group, a Rússia é o principal país de procedência dos combatentes estrangeiros que se juntaram ao Estado Islâmico, seguida da Arábia Saudita, Jordânia e Tunísia.

A Tunísia sofreu em 2015 uma série de atentados jihadistas que mataram 72 pessoas, 60 das quais turistas estrangeiros, e nos últimos dois anos multiplicaram-se os ataques à Guarda Nacional.

O país magrebino está debaixo de Estado de Emergência desde novembro de 2015, já que foi declarado depois do atentado que tirou a vida a doze membros da Guarda Presidencial na capital.