Mundo

Joe Biden anuncia investimentos de 2,3 biliões de dólares em infraestruturas

Leah Millis

Presidente dos EUA classificou o projeto como "o investimento de uma geração na América".

O Presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou na quarta-feira um plano de investimentos de 2,3 biliões (milhão de milhões) de dólares (dois biliões de euros) para renovar e modernizar as infraestruturas dos EUA nos próximos oito anos.

Ao discursar no centro de formação do sindicato dos carpinteiros em Pittsburgh, Biden classificou o projeto como "o investimento de uma geração na América".

O Presidente foi ao ponto de comparar o seu projeto de transformação da economia dos EUA com a corrida ao espaço e prometeu resultados tão grandes à escala como os programas 'New Deal', do presidente Franklin D. Roosevelt, ou 'Great Society', do presidente Lyndon B. Johnson, que formataram os EUA no século XX.

"Este é um investimento que se faz uma vez por geração, diferente de tudo o que se viu ou fez desde que construímos o sistema de autoestradas interestatal ou a corrida ao espaço, há décadas. De facto, é o maior investimento em emprego nos EUA desde a Segunda Guerra Mundial. Vamos criar milhões de empregos, empregos bem pagos", declarou.

Dirigentes da Casa Branca adiantaram que o investimento vai gerar estes empregos à medida que o país sai dos combustíveis fósseis e combate os perigos das alterações climáticas.

O financiamento dos projetos virá de uma subida dos impostos sobre empresas. Ao fazê-lo Biden vai passar as taxas sobre lucros de 21% para 28%, anulando a decisão dos republicanos de 2017.

Por outro lado, Biden apontou o dedo à fuga fiscal: "91 das empresas da 'Fortune 500', incluindo a Amazon, não pagam um único cêntimo em impostos sobre lucos".

O anúncio de quarta-feira vai ser seguido, nas próximas semanas, por outro anúncio de Biden de um pacote equiparado de investimentos em cuidados infantis, créditos fiscais para famílias e outros programas internos. Este novo pacote de dois biliões de dólares vai ser pago por aumento de impostos sobre indivíduos e famílias com riqueza.

"Wall Street não construiu este país", disse Biden. "Vocês, classe média, construíram este país. E os sindicatos construíram a classe média".

Economistas a preveem que PIB dos EUA possa crescer cerca de 6% este ano

A Casa Branca já detalhou que a maior parte da proposta inclui 621 mil milhões de dólares para estradas, pontes, vias públicas, estações de carregamento de veículos elétricos e outras infraestruturas de transporte. Este investimento vai afastar o país dos motores de combustão interna que a indústria automóvel como uma tecnologia crescentemente antiquada.

Outros 111 mil milhões estão destinados à retirada de tubos de alumínio no transporte de água e modernização das redes de esgotos.

A internet de banda larga vai cobrir os EUA graças ao financiamento de 100 mil milhões. Uma verba similar vai ser afetada à modernização da rede elétrica para distribuir eletricidade limpa. As casas vão ser melhoradas, as escolas vão ser modernizadas, os trabalhadores formados e os hospitais renovados segundo este plano, que também contempla o reforço da indústria norte-americana.

Esta atividade leva os economistas a preverem que o produto interno bruto dos EUA possa crescer cerca de seis por cento este ano.

Para impedir as empresas de mudarem os lucros para o estrangeiro de forma a evitarem serem taxados, vai ser imposta uma taxa global única de 21%.

O código fiscal vai também ser atualizado para impedir a empresas de recorrerem a fusões com entidades estrangeiras e evitarem os impostos mudando a sede para um paraíso fiscal. E, entre outras disposições, o fisco vai aumentar as inspeções às empresas.

Os investimentos em infraestruturas costumam estimular o crescimento económico. O tempo gasto em viagens pode ser reduzido e a saúde pública pode ser melhorada, enquanto os empregos na construção favorecem as despesas de consumo.

A economista-chefe da Standard & Poor's, Beth Ann Bovino, estimou em 2020 que um investimento em infraestruturas na ordem dos 2,1 biliões de dólares pode acrescentar 5,7 biliões de dólares à economia ao longo de uma década.