Mundo

Myanmar. Suu Kyi aparece em tribunal e ONU teme "uma guerra civil"

Jorge Silva

Próxima audiência ficou marcada para 12 de abril.

A ex-dirigente birmanesa Aung San Suu Kyi, detida desde o golpe militar de 1 de fevereiro, apareceu esta quinta-feira em tribunal, um dia depois da emissária da ONU ter alertado para o risco de "guerra civil" em Myanmar.

Mais de 535 pessoas, incluindo numerosos estudantes, adolescentes e crianças, foram mortas pelas forças de segurança em dois meses, segundo a Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP). Centenas de outras estão desaparecidas.

Aung San Suu Kyi, 75 anos, compareceu por videoconferência num tribunal de Naypyidaw, a capital, para uma audiência sobre questões administrativas como a designação oficial dos oito advogados da sua equipa de defesa.

Parecia em "boas condições físicas", disse um deles. Estava "brilhante e charmosa como sempre", comentou o advogado Khin Maung Zaw.

Advogados de Aung San Suu Kyi falam aos jornalistas

Advogados de Aung San Suu Kyi falam aos jornalistas

STRINGER

A equipa de defesa viu-a na véspera por vídeo e sob vigilância policial pela primeira vez desde o golpe.

"Ela pediu um encontro com os seus advogados - uma reunião privada para dar instruções à defesa e discutir o caso sem ingerência exterior da polícia ou das forças armadas", adiantou.

A próxima audiência ficou marcada para 12 de abril.

A prémio Nobel da Paz 1991 é acusada de "incitação à agitação pública", de violar a Lei de Segredos Oficiais e de ter recebido mais de um milhão de dólares e 11 quilogramas de ouro em subornos, enfrentando longos anos de prisão e correndo o risco de ser banida da vida política.

Deputados do seu partido, a Liga Nacional para a Democracia (LND), anunciaram na quarta-feira a formação na primeira semana de abril de "um novo governo civil" de resistência.

Na clandestinidade desde o golpe de Estado, anunciaram ainda que a Constituição de 2008, redigida pelo anterior regime militar, foi "anulada".

Manifestações em Rangum

Esta quinta-feira, manifestantes queimaram um monte de cópias do texto numa rua de Rangum, a capital económica, onde dois supermercados propriedade do exército foram incendiados durante a noite.

Um manifestante de 31 anos foi morto em Monywa (centro) e dez outros foram feridos, disse um socorrista à agência France-Presse.

Realizaram-se vigílias e orações silenciosas em memória dos "mártires" dos últimos dois meses e manifestantes desfilaram por Rangum com "lágrimas de sangue" pintadas na cara. Dezenas de milhares de funcionários públicos e do setor privado continuam em greve.

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho acusou as forças de segurança de atacar os socorristas.

"Médicos e socorristas da Cruz Vermelha na Birmânia foram detidos de modo injustificado, intimidados ou feridos e bens e ambulâncias da Cruz Vermelha foram danificados. É inaceitável", declarou o diretor regional da organização para a Ásia-Pacífico, Alexander Matheou.

Risco de guerra civil a um nível sem precedentes

Durante uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU, à porta fechada, na quarta-feira, a emissária da organização para Myanmar, Christine Schraner Burgener, alertou para "um risco de guerra civil a um nível sem precedentes", exortando "a considerar todos os meios ao dispor para (...) evitar uma catástrofe multidimensional no coração da Ásia".

Mas os 15 membros dos conselhos estão divididos. Washington e Londres defenderam a aplicação de sanções pela ONU, enquanto Pequim, aliado tradicional do exército birmanês, rejeitou a ideia e apelou ao "regresso a uma transição democrática".