Mundo

Guterres condena ataque contra missão da ONU no Mali que matou 4 capacetes azuis

Eduardo Munoz

Ataques contra forças de manutenção de paz podem constituir crimes de guerra.

O secretário-geral da ONU condenou na sexta-feira o ataque de elementos armados contra o acampamento da missão da ONU no Mali em Aguelhok, que matou quatro 'capacetes azuis' do Chade e feriu 19.

António Guterres elogiou a bravura do pessoal da força de manutenção de paz que repeliu o ataque, acrescentou em comunicado o porta-voz Stéphane Dujarric.

O ex-primeiro-ministro português, que enviou os pêsames ao Governo e povo do Chade e às famílias das vítimas, lembrou que os ataques contra forças de manutenção de paz podem constituir crimes de guerra segundo o direito internacional e implicar sanções para os seus responsáveis.

De acordo com o mesmo porta-voz, o secretário-geral das Nações Unidas pediu às autoridades do Mali para que "não poupem esforços para identificar e responsabilizar sem demora os autores do ataque hediondo", reiterando a solidariedade da ONU com o povo e o Governo do Mali na busca da paz.

Quatro 'capacetes azuis' do Chade da missão da ONU no Mali foram mortos na sexta-feira durante um ataque contra o seu acampamento em Aguelhok, no nordeste do país, a cerca de 200 quilómetros do posto de fronteira com a Argélia.

Segundo a missão, o "ataque foi complexo" e perpetrado por vários terroristas "fortemente armados".