Mundo

Palestiano morto por balas israelitas

Exército israelita afirma ter evitado atentado.

Um palestiniano foi hoje morto na Cisjordânia e a mulher que se encontrava com ele no carro ficou ferida, depois de militares israelitas terem disparado sobre os dois, acusou o Governo palestiniano.

Um homem morreu "depois de ter sido atingido na cabeça (...) em Bir Nabala (...) e a mulher foi ferida, com balas nas costas", adiantou o Ministério da Saúde.

Segundo a agência oficial de notícias Wafa, as "balas israelitas" foram disparadas ao amanhecer quando o casal estava "dentro de um carro".

Não foi dada qualquer indicação imediata sobre a razão dos disparos.

Contactado pela agência de notícias France-Presse (AFP), o exército israelita não comentou.

O palestiniano morto foi identificado como Osama Sidqi Mansour, de 42 anos, de acordo com fontes locais citadas por Wafa.

A agência noticiou confrontos entre palestinianos e soldados israelitas na zona de Bir Nabala na segunda-feira à noite.

O exército israelita tem ocupado a Cisjordânia, um território palestiniano, desde 1967.

Cerca de 2,8 milhões de palestinianos vivem no território, tal como cerca de 475 mil israelitas que vivem em colonatos considerados ilegais, ao abrigo do direito internacional.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros