Mundo

Tiroteio junto a hospital em Paris faz um morto e um ferido 

Christophe Ena

Autor dos disparos fugiu.

Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida, esta segunda-feira, após um tiroteio junto a um hospital de Paris, em França. O autor dos disparos fugiu do local numa mota.

"Ao todo, foram seis tiros. Primeiro quatro, depois dois. Um homem na casa dos 30 estava no chão", revelou uma testemunha ao Le Figaro.

Os media franceses adiantam que a vítima mortal é um homem e que o ferido se trata de uma mulher, que trabalha como segurança no hospital.

BENOIT TESSIER

BENOIT TESSIER

Ambos foram atendidos por uma equipa do próprio Hospital Henry Dunant, em frente ao qual ocorreu o tiroteio. O homem acabou por morrer e a mulher está nos cuidados intensivos.

O hospital geriátrico, localizado no 16º distrito da capital francesa, é administrado pela Cruz Vermelha Francesa e serve também como centro de vacinação contra a covid-19.

A Polícia Judiciária de Paris foi chamada ao local para investigar o caso. Nenhuma informação foi dada nesta fase pelos investigadores sobre as circunstâncias do tiroteio.

O suspeito do tiroteio está agora a ser procurado pelas autoridades.

BENOIT TESSIER

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia