Mundo

China inicia exercícios militares junto a Taiwan durante visita de funcionários dos EUA

Dado Ruvic

Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaça a reunificação pela força.

A China iniciou hoje exercícios militares que se vão prolongar durante seis dias, no sudoeste de Taiwan, numa altura em que a ilha recebe uma delegação dos Estados Unidos.

Em comunicado, a Administração de Segurança Marítima da China proibiu qualquer embarcação de entrar na área onde se vão realizar os testes, que incluem o uso de munição real.

Segundo a mesma fonte, as manobras vão realizar-se entre as 08:00 e as 18:00, na hora local, todos os dias, entre hoje e terça-feira.

Os exercícios vão incluir o arquipélago Nanpeng, que pertence à província de Guangdong, no extremo sudeste da China, e que fica no Estreito de Taiwan.

As manobras coincidem com a visita a Taiwan do ex-senador norte-americano Chris Dodd e dos ex-vice-secretários de Estado Richard Armitage e James Steinberg, que desembarcaram na ilha, na quarta-feira. A visita alimenta a tensão entre Pequim e Washington.

Nas últimas semanas Taiwan detetou um número crescente de incursões, em frequência e em volume, de aeronaves militares chinesas na sua zona de identificação de defesa aérea.

O território é autónomo desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas.

Formalmente chamada República da China, Taiwan tornou-se, entretanto, numa democracia com uma forte sociedade civil, mas Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaça a reunificação pela força.

Os antigos funcionários norte-americanos devem reunir-se com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen.

O Departamento de Estado norte-americano disse também, na semana passada, que vai emitir novas diretrizes para permitir que as autoridades norte-americanas se encontrem mais livremente com as autoridades de Taiwan.

A Casa Branca disse que a visita foi um "sinal pessoal" do compromisso do Presidente Joe Biden com Taiwan e a sua democracia.

  • Regresso ao futuro

    Opinião

    "Queremos assegurar que os novos líderes estão unidos por um conjunto de valores que torna claro que a liderança não é sobre ego" (David Simas, Presidente da Fundação Obama)

    Germano Almeida